Habacuque 2 – Aguardando uma resposta de Deus

Para Deus, tanto os caldeus quanto os judeus estavam em iguais condição, pois ambos os povos eram condenáveis diante de Deus. Por serem descendentes de Abraão, por terem as promessas, as escrituras, etc., o profeta Habacuque considerava que a nação de Israel era mais justa que as nações em redor ( Sl 53:3 ).


HABACUQUE 2

1 SOBRE a minha guarda estarei, e sobre a fortaleza me apresentarei e vigiarei, para ver o que falará a mim, e o que eu responderei quando eu for arguido.
2 Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas, para que a possa ler quem passa correndo.
3 Porque a visão é ainda para o tempo determinado, mas se apressa para o fim, e não enganará; se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará.
4 Eis que a sua alma está orgulhosa, não é reta nele; mas o justo pela sua fé viverá.
5 Tanto mais que, por ser dado ao vinho é desleal; homem soberbo que não permanecerá; que alarga como o inferno a sua alma; e é como a morte que não se farta, e ajunta a si todas as nações, e congrega a si todos os povos.

A Resposta ao Profeta

O profeta Habacuque recolhe-se e põe-se em guarda. Fiado em suas considerações, Habacuque põe se em guarda por ser um dos atalaia em Israel. Ele espera pela resposta divina e demonstra ansiedade pela resposta que Deus haveria de apresentar as suas queixas. Caso ele fosse interpelado, queria ter uma resposta (v. 1).

Habacuque obteve resposta de Deus! Deus ordena que ele a escrevesse sobre tábuas a mensagem, para que as pessoas pudessem ler, mesmo quando passassem correndo, ou seja, em letras grandes (v. 2). O efeito da mensagem causa um trocadilho, visto que, faria quem lesse correr, ou seja: “para que possa correr aquele que a le”.

As tábuas utilizadas eram tijolos de argila, finos como tabuas ou ardósia. Elas eram utilizadas na Babilônia.

A primeira resposta de Deus é sobre o tempo em que Deus haveria de cumprir a visão dada a Habacuque ( Hc 1:2 e Hc 2:3 ).

A visão que Deus concedeu a Habacuque, ou seja, o peso do Senhor acerca de Judá, haveria de ser no tempo determinado por Deus, e com isso o profeta não precisava preocupar-se, pois a profecia seria cumprida ao seu tempo.

Ora, se alguém entendesse que a profecia estava tardando, bastava esperar, pois certamente ela cumprir-se-á no tempo estabelecido por Deus, ou seja, não tardará. A visão cumprir-se-á no tempo que Deus estabeleceu pelo seu próprio poder e não compete aos homens saberem quando os eventos se dará.

Por que a visão deveria ser transcrita sobre tábuas? Porque precisava ficar registrada sobre algo duradouro como testemunho vivo para um tempo futuro. Quem lia sobre a invasão dos caldeus queria correr do evento anunciado. Ora, não tardou e os caldeus levaram cativo o povo de Israel conforme a palavra do Senhor ( Hc 1:6 -11).

Do mesmo modo que Deus revelou que o cativeiro de Israel seria para os dias do profeta Habacuque ( Hc 1:5 ), Deus responde o profeta, revelando que a nação incircuncisa que foi suscitada por Deus também seria punida (Hc 2:4 -19).

Diante da visão divina, resta àqueles que fazem perguntas vazias calarem-se ante o Senhor de toda a terra “Mas o Senhor está no seu santo templo; cale-se diante dele toda a terra” ( Hc 2:20 ). Após dar ouvido as palavras de Deus, Habacuque temeu ao Senhor, e compôs um Salmo, profetizando acerca da providência divina aos homens ( Hc 3:1 -19).

A punição de Judá e Israel era iminente e a punição dos caldeus para um tempo determinado ( Hc 1:5 e Hc 2:3 ). Ao ser ordenado que a visão fosse escrita sobre tábuas com letras grandes, era para ela ‘falar’ até o fim “Porque a visão é ainda para o tempo determinado, e até o fim falará, e não mentirá” ( Hc 2:3 ), mesmo que corressem quem a lesse.

A questão maior do profeta Habacuque foi apresentada no verso 13 do capítulo 1: “Por que te calas quando o ímpio devora aquele que é mais justo do que ele?”. Habacuque já estava indignado porque os ímpios em Judá fomentavam a violência, e esperava que Deus tomasse providência para impedi-los (Hc 1: 2- 4). Agora, quando Deus lhe dá a visão de que os incircuncisos caldeus (gentios) haveriam de castigar Judá e Israel, ele não compreende porque Deus permite que ímpios ‘devorem’ àqueles que são mais ‘justos’.

A resposta de Deus é clara e precisa: “Eis que a sua alma está orgulhosa, não é reta nele; mas o justo pela sua fé viverá” (v. 4). O que Deus disse a Habacuque? O que Habacuque compreendeu que o fez irromper em um alegre canto?

O verso 4 é regida por uma conjunção adversativa, sendo que: se o justo viverá da fé, resta que o ímpio é quem tem a alma orgulhosa. Deus apresenta o diferencial entre o justo e o ímpio. Enquanto o diferencial entre o justo e o ímpio para Habacuque estava na violência, na iniquidade, na contenda, no litígio, na transgressão da lei, etc., Deus demonstra que o diferencial é a fé que foi dada por Deus.

Através da visão, Habacuque compreende que tanto os homens de Judá e Israel quanto os caldeus eram ímpios perante o Senhor. Aqueles que Habacuque considerava mais justos que os caldeus, diante da visão tornaram-se ‘mais’ ímpios, visto que o povo que se chama pelo nome de Deus era dado ao vinho (v. 5).

Qual o vinho que o povo de Israel se embriagava? O vinho produto do fruto da vide? Não! O vinho que os ímpios de Israel eram ‘dados’ (entregues) é o sono profundo que falou o profeta Isaias: “Pasmai, e maravilhai-vos, folgai, e clamai; bêbados estão, mas não de vinho, andam titubeando, mas não de bebida forte. O Senhor derramou sobre vós um espírito de profundo sono. Ele fechou os vossos olhos (os profetas); ele vendou as vossas cabeças (os videntes)” ( Is 29:9 -10).

Quem não compreende as palavras da profecia é dado ao vinho, ou seja, é desleal (ímpio). Anda titubeando. Diferente do justo que vive pela fé, o ímpio (homem soberbo) não permanecerá (v. 5).

Habacuque conseguiu ver que o povo de Israel em nada era diferente dos caldeus, pois os caldeus eram um povo voraz, insaciável, que alargava como o inferno a sua alma, e os seus concidadãos também eram opressores, violentos, contentores e perversos ( Hc 1:2 -4 e v. 5).

Habacuque havia questionado o Senhor por esquecer que:

  • O povo de Israel era nação rebelde ( Dt 9:6 );
  • Não foi a justiça de Israel que os fez habitar a terra prometida ( Dt 9:4 );
  • Deus não se afeiçoou de Israel e os escolheu por eles terem algum mérito, antes porque o Senhor os amava, ou seja, para fazer cumprir o juramento que foi feito a Abraão ( Dt 7:7 -8);
  • Somente aqueles que circuncidarem o coração, ou seja, que não são de dura cerviz, é que são justos diante de Deus ( Dt 10:16 );
  • A circuncisão do prepúcio do coração só é possível através da fé, e é pertinente a homens e mulheres, ricos e pobres, judeus e estrangeiros, pois Deus não faz acepção de pessoas.

Após considerar as palavra do Senhor ( Hc 3:2 ), Habacuque percebeu que não havia diferença entre os homens de Judá e os incircuncisos caldeus. Os caldeus ajuntavam para si as nações através da força e violência, e o povo de Israel procuravam realizar o mesmo intento através de alianças políticas. Ambos não confiavam em Deus, e atribuíam as suas conquistas as suas estratégias. Os caldeus estratégias militares, e os israelenses, estratégias políticas.

Habacuque 2: 4 é citado três vezes no Novo Testamento pelos apóstolos, dada a importância desta visão concedida ao profeta Habacuque ( Rm 1:17 ; Gl 3:11 e Hb 10:38 ).

Em Romanos Paulo demonstra que através do evangelho o homem descobre a justiça de Deus, visto que o evangelho é poder de Deus para a salvação, ou seja, recebem poder para serem feitos (criados) filhos de Deus pela fé em Cristo ( Jo 1:12 -13).

Como o evangelho é a palavra da fé, a fé que uma vez foi dada aos santos, temos que o justo viverá da palavra de Deus, ou seja da fé ( Dt 8:3 ; Mt 4:4 ). Habacuque 2: 4 apresenta a mesma ideia de Deuteronômio 8: 3.

Como os cristãos da Galácia queriam viver para Deus se estavam se distanciando da palavra de Deus? O justo viverá da palavra da fé, e não através das obras da lei, uma vez que estavam passando do evangelho de Cristo para um outro evangelho.

O escritor aos Hebreus citou Habacuque para demonstrar a necessidade de perseverança após o homem fazer a vontade de Deus. Ora, a vontade de Deus é que o homem creia naquele que Ele enviou, ou seja, em Cristo, porém, é preciso perseverar na fé para que o homem possa alcançar a promessa ( Hb 10:35 -39).

 

6 Não levantarão, pois, todos estes uma parábola e um provérbio sarcástico contra ele? E se dirá: Ai daquele que multiplica o que não é seu! (até quando?) e daquele que carrega sobre si dívidas!
7 Porventura não se levantarão de repente os teus extorquiadores, e não despertarão os que te farão tremer, e não lhes servirás tu de despojo?
8 Porquanto despojaste a muitas nações, todos os demais povos te despojarão a ti, por causa do sangue dos homens, e da violência feita à terra, à cidade, e a todos os que nela habitam.
9 Ai daquele que, para a sua casa, ajunta cobiçosamente bens mal adquiridos, para pôr o seu ninho no alto, a fim de se livrar do poder do mal!
10 Vergonha maquinaste para a tua casa; destruindo tu a muitos povos, pecaste contra a tua alma.
11 Porque a pedra clamará da parede, e a trave lhe responderá do madeiramento.
12 Ai daquele que edifica a cidade com sangue, e que funda a cidade com iniquidade!
13 Porventura não vem do SENHOR dos Exércitos que os povos trabalhem pelo fogo e os homens se cansem em vão?
14 Porque a terra se encherá do conhecimento da glória do SENHOR, como as águas cobrem o mar.
15 Ai daquele que dá de beber ao seu companheiro! Ai de ti, que adiciona à bebida o teu furor, e o embebedas para ver a sua nudez!
16 Serás farto de ignomínia em lugar de honra; bebe tu também, e sê como um incircunciso; o cálice da mão direita do SENHOR voltará a ti, e ignomínia cairá sobre a tua glória.
17 Porque a violência cometida contra o Líbano te cobrirá, e a destruição das feras te amedrontará, por causa do sangue dos homens, e da violência feita à terra, à cidade, e a todos os que nela habitam.
18 Que aproveita a imagem de escultura, depois que a esculpiu o seu artífice? Ela é máscara e ensina mentira, para que quem a formou confie na sua obra, fazendo ídolos mudos?

Os ‘ais’

Deus revela a Habacuque que os povos que forem vencidos levantarão um provérbio, um dito zombador acerca dos caldeus (v. 6). Os vencidos pelos caldeus haveriam de dizer: Ai de quem acumulou o que não é seu! Ou seja, até quando os caldeus continuariam acumulando bens pela violência?

Todos cantariam um provérbio acerca dos caldeus, pois estava se sobrecarregando de penhores, e chegaria o tempo em que apareceriam os credores. Ora, o acumulo de riquezas por parte dos caldeus não faria despertar quem os levaria a ruína?

O fato de os caldeus ajuntarem penhores, outros povos fariam com que os caldeus se transformassem em despojos (v. 7).

Por ter despojado muitas nações, os outros povos haveriam de despojar os caldeus (v. 8).

Deus demonstra a Habacuque que os caldeus não permaneceriam para sempre. Eles estavam ajuntando bens mal adquiridos para se engrandecerem. Reputavam que, quanto maior as suas riquezas, com maior facilidade se livrariam do mal (v. 9).

Com este pensamento, os caldeus haviam maquinado o mal e a vergonha para as suas moradas. Por destruir muitos povos, ensoberbeceram e a queda era iminente ( Hc 2:5 e 10).

Quem é a pedra que clamará da parede? As nações vencidas e levadas cativas, visto que os caldeus utilizaram as nações vencidas para construírem as suas moradas. A pedra haveria de clamar um dito zombador “Ai daquele que acumula o que não é seu…” (v. 6b), e a trave responderia como se estivessem compondo um coro “Ai daquele que edifica a cidade com sangue…” (v. 12).

Deus demonstra através da visão que o labutar constante das nações por poder é proveniente d’Ele mesmo “Não vem do Senhor dos Exércitos que as nações labutem para o fogo…” (v. 12). Ora, Habacuque tinha que compreender que é obra de Deus fazer com que as nações labutem para conquistarem o que será destinado ao fogo, e os povos se fatiguem em vão.

Ora, se o ‘labutar em vão’ das nações é algo que vem de Deus, porque preocupar-se com os incircuncisos caldeus? Eles eram somente a vara de correção que Deus estava trazendo sobre Israel.

Habacuque deveria esperar na promessa de Deus, pois a terra se encherá da glória de Deus ‘… como as águas cobrem o mar’ “Não se fará mal nem dano algum em todo o monte da minha santidade, pois a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar” ( Is 11:9 ). A comparação é pertinente para saber o que é o conhecimento do Senhor. Ora, as águas cobrem o mar na plenitude, e do mesmo modo o conhecimento de Deus é pleno quando o homem é conhecido do Senhor. Temos uma profecia para o milênio.

Deus demonstra que os caldeus perecerão, pois deram a beber as nações o seu furor, ou seja, arquitetaram vingança, deitaram ira para embebedar as nações. Somente a Deus pertence a vingança e a ira, pois Ele mesmo diz: “Minha é a vingança” “Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo” ( Hc 10:30 ).

Os caldeus que pensaram estar fartos de honra, trouxeram opróbrio sobre si. Do mesmo modo que os caldeus expuseram os circuncisos (Israel) à vergonha, Deus proclama que fará os caldeus exibirem a sua incircuncisão (vergonha). Haveria de chegar a vez dos caldeus beberem do cálice da ira de Deus.

Observe que o cálice da ira é proveniente da mão direita de Deus, o braço do Senhor manifesto a todos os povos, que é Cristo.

A visão do profeta Habacuque cumpriu-se em 539 a.C., quando a Babilônia caiu ante os Medos e Persas. Daniel foi um dos Judeus levado cativo que presenciou a tomada de Babilônia (Daniel 5).

Por causa da violência contra o povo de Israel (Líbano) (Josué 1: 4), a violência também cobriria os caldeus. Seriam dilacerados do mesmo modo como as feras fazem com as suas presas (v. 17).

Deus havia suscitado os caldeus ( Hc 1:6 ), porém, eles atribuíram o seu poderio as imagens de esculturas (v. 18- 19). Daniel em seu livro demonstra que Belsazar promoveu uma festa e ofereceu louvores aos seus deuses. Porém, mesma noite foi morto, e Dario, o medo ocupou o seu lugar ( Dn 5:4 e 31).

 

Deus alerta acerca dos ídolos

Que proveito há no ídolo se é obra de um escultor? As imagens de fundição são ensinadoras (mestre) de mentiras, visto que até os seus artífices confiem nas obras de suas mãos (v. 18).

Deus demonstra que àqueles que tentam despertar a matéria inerte estão completamente perdidos. Que pode o ídolo ensinar? Mesmo os ídolos feitos com os materiais mais nobres, nada podem fazer pelos seus seguidores (v. 19- 19).

Diferente dos ídolos que nada ensinam e não podem proteger, Deus está assentado no seu santo templo. Aos que ouvem a sua palavra resta por a mão à boca. Habacuque compreende que não terá uma resposta a altura diante de Deus ( Hc 2:1 e 20).

Ler mais