Salmo 96 – Como adorar o Senhor na beleza da sua santidade?

O cântico novo está atrelado à boca, à garganta, dos santos. Na no ajuntamento solene dos santos (assembleia) o tema é Cristo, o cântico novo ( Sl 149:1 ), pois os santos proclamam os altos louvores de Deus. Proclamar os altos louvores de Deus é o mesmo que empunhar a espada do espírito, que é a palavra de Cristo “Estejam na sua garganta os altos louvores de Deus, e espada de dois gumes nas suas mãos” ( Sl 149:6 ; Ef 6:17 ; Jo 6:63 ; Hb 4:12 ).


Introdução

O Salmo 96 também foi registrado no livro das Crônicas dos reis de Israel. No primeiro livro das Crônicas, no capítulo 16, os levitas trouxeram a Arca do Senhor que estivera sob o poder dos filisteus à cidade de Davi, e a colocaram em uma tenda que Davi havia erguido para aquela finalidade ( 1Cr 16:1 ).

Em seguida foi oferecido ao Senhor sacrifícios pacíficos e, ao final, Davi abençoou o povo em nome do Senhor. Para marcar o retorno da Arca do Senhor, naquele dia Davi distribuiu ao povo um pão, um bom pedaço de carne e um frasco de vinho ( 1Cr 16:2 ).

Davi também colocou alguns dos levitas perante a arca do Senhor por ministros com a função de recordarem, louvarem e festejarem ao Senhor. Ficou registrado nas Crônicas que Asafe era o chefe e Zacarias o segundo no ministério. Que Jeiel, Semiramote, Matitias, Eliabe, Benaia e Obede-Edom utilizavam alaúdes e harpas para falar ao povo, e Asafe, por sua vez, falava ao som de címbalos. Já os sacerdotes Benaia e Jaaziel continuamente tocavam trombetas perante a arca da aliança de Deus.

Davi entregou aos profetas salmos, sendo o Salmo 96 um dos que lhes foi entregue naquele dia “Então naquele mesmo dia Davi, em primeiro lugar, deu o seguinte salmo para que, pelo ministério de Asafe e de seus irmãos, louvassem ao SENHOR” ( 1Cr 16:7 ).

Como já relatamos, os salmos são profecias transformadas em poesias para serem cantadas ao som de instrumentos musicais para facilitar a memorização do povo de Israel, que na sua grande maioria à época não sabiam ler ( 1Cr 25:1 -9).

Também já demostramos pelas escrituras que os salmistas não compuseram os salmos com base em suas vidas terrenas, antes que os salmos tinham em vista o Messias, o Descendente prometido a Abraão – o Filho de Davi.

A poesia hebraica não privilegiava a rima e o ritmo, antes evidenciavam uma cadencia de pensamentos e ideias através de um recurso próprio denominado ‘paralelismo’.

 

Cânticos proféticos

Quando lemos: “Cantai ao SENHOR um cântico novo, cantai ao SENHOR toda a terra” (v. 1 ; Sl 98:1 ), é possível observar um convite para que os habitantes da terra entoem um cântico novo. Mas, como entoar um cântico novo? Qual é o cântico novo?

Ao falar do ‘cântico novo’, o Dr. Russell Shedd em um e-book disponível na web intitulado ‘Adoração Bíblica’ fez o seguinte comentário:

“O cântico deve ser novo, pois a adoração pode perder seu brilho se a ferrugem das ações de graça rotineiras não forem constantemente renovadas sob a orientação do Espírito. A repetição de frases milenares toma-se algo enfadonho. Uma novo cântico abre a visão da glória do paraíso (Ap 5.9). Temas desgastados pela repetição acabam como apontamentos de aula, transferidos da apostila do professor para o caderno do aluno, sem penetrar na mente de nenhum deles!” Shedd, P. Russeel, Adoração bíblica, Sociedade Religiosa Edições Vida Nova Copyright © 1987 – S.R. Edições Vida Nova.

O Dr. Russell enfatiza que o cântico deve ser novo, porém, não diz qual é o cântico novo. Como é possível a adoração ser passível de um ‘desgaste’? A adoração decorre de frases e temas que se desgastam com o tempo?

Ora, a adoração jamais perde o seu brilho, porque o cântico novo é proveniente de Deus, visto que a sua palavra se renova a cada manhã e permanece para sempre “Os teus estatutos têm sido os meus cânticos na casa da minha peregrinação” ( Sl 119:54 ; Sl 103:18 ); “Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o SENHOR a estes” ( Sl 126:2 ).

O cântico novo não é fruto da imaginação e da inspiração da alma do homem, antes ele decorre das obras que Deus opera em prol do seu povo conforme a sua palavra. O Salmo 103 é um exemplo de cântico novo, pois nele são enumeradas todas as benesses que Deus faz para com o homem.

O homem deve cantar a Deus um cântico novo em função das suas maravilhas, e a maior maravilha está em Deus ter manifesto a sua destra, desnudando o seu santo braço aos homens ( Sl 98:1 ; Is 52:10 ). Cristo é o tema do novo cântico, pois Ele é o braço do Senhor desnudado perante todos os povos “Perto está a minha justiça, vem saindo a minha salvação, e os meus braços julgarão os povos; as ilhas me aguardarão, e no meu braço esperarão ( Is 51:5 ).

Quando Isaias profetiza acerca de Cristo, o Servo do Senhor, temos o tema do cântico novo: “Cantai ao SENHOR um cântico novo, e o seu louvor desde a extremidade da terra…” ( Is 42:10 ), pois aonde se dizia: “Não há paz” ( Is 48:22 ), através de Cristo passou a ser anunciado: Eu crio os frutos dos lábios: paz, paz, para o que está longe; e para o que está perto, diz o SENHOR, e eu o sararei” ( Is 57:19 ).

É o Senhor Deus que cria o ‘novo cântico’, o novo cântico é o fruto dos lábios que professam a Cristo ( Hb 13:15 ), pois Cristo é a nossa paz “SENHOR, tu nos darás a paz, porque tu és o que fizeste em nós todas as nossas obras” ( Is 26:12 ). Quem anuncia as boas novas de salvação em Cristo, canta um cântico novo “Quão formosos são, sobre os montes, os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, do que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, do que diz a Sião: O teu Deus reina!” ( Is 52:7 ).

Quem vê a Cristo e o teme, confiando n’Ele, tem um novo cântico posto na boca, um hino a Deus “E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no SENHOR” ( Sl 40:3 ). O hino que foi posto na boca do salmista diz de Cristo, pois Deus nunca foi visto por ninguém, mas o Filho revelou o Pai, de modo que todos os que nele creem veem a Deus “Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou” ( Jo 1:18 ; 1Jo 4:12 -14).

Ter um novo cântico na boca é o mesmo que ter a boca cheia de bens, pois a todos os que creem é dado poder para serem feitos filhos de Deus “Que farta a tua boca de bens, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia” ( Sl 103:5 ; Jo 1:12 -13). Para que o homem seja feito filho de Deus, necessário é nascer de novo, ou seja, renovar as suas forças em Deus “Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão” ( Is 40:31 ).

O cântico novo está atrelado à boca, à garganta, dos santos. Na no ajuntamento solene dos santos (assembleia) o tema é Cristo, o cântico novo ( Sl 149:1 ), pois os santos proclamam os altos louvores de Deus. Proclamar os altos louvores de Deus é o mesmo que empunhar a espada do espírito, que é a palavra de Cristo “Estejam na sua garganta os altos louvores de Deus, e espada de dois gumes nas suas mãos” ( Sl 149:6 ; Ef 6:17 ; Jo 6:63 ; Hb 4:12 ).

Quando o Salmista convoca toda a terra para cantar um cântico novo, demonstra que a salvação de Deus tem por alvo todos os homens, ou seja, que a mensagem do evangelho não se restringe ao povo de Israel ( Jo 1:17 ). Se o cântico novo pode ser entoado por todas as gentes, isto significa que o cântico novo está intimamente ligado ao evangelho que fora anunciado primeiramente a Abraão: “Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti” ( Gl 3:8 ).

No que consiste cantar, bendizer ao Senhor? Cantar, bendizer, entoar um cântico novo é o mesmo que ‘anunciar a Salvação de Deus de dia em dia’, ou seja, proclamar o evangelho, produzir o fruto dos lábios ( Hb 13:15 ); “Cantai ao SENHOR, bendizei o seu nome; anunciai a sua salvação de dia em dia” (v. 2); “Tributai ao SENHOR a glória de seu nome; trazei presentes, e vinde perante ele; adorai ao SENHOR na beleza da sua santidade” ( 1Cr 16:29 ).

O que nos garante que ‘cantar’, ‘bendizer’ ou ‘entoar um cântico novo’ é o mesmo que ‘anunciar a salvação do Senhor’? O paralelismo da poesia hebraica nos garante, pois a estrofe: “Cantai ao SENHOR, bendizei o seu nome; anunciai a sua salvação de dia em dia”, contém dois casos específicos de paralelismo: 1) Sinônimo – a segunda frase repete o pensamento da primeira linha, e; 2) Sintético – a segunda frase completa ou aumenta o pensamento da primeira.

Quem canta, bendiz e vice versa, ou seja, quem canta, bendiz porque anuncia as boas novas do evangelho, que é salvação de Deus ( Rm 1:16 ).

Porque o salmista ordena que se anuncie entre as nações a glória do Senhor? “Anunciai entre as nações a sua glória; entre todos os povos as suas maravilhas” (v. 3). Por dois motivos: 1) “Porque grande é o SENHOR, e digno de louvor, mais temível do que todos os deuses” (v. 4), e; 2) “Porque todos os deuses dos povos são ídolos, mas o SENHOR fez os céus” (v. 5).

Qual é a glória do Senhor? Ora, a bíblia demonstra que a glória de Deus é Cristo “O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas” ( Hb 1:3 ).

Quais são as maravilhas de Deus? A salvação da humanidade! Enquanto os deuses dos povos são ídolos, o Senhor descrito pelo salmista é grande e digno de louvor. Ora, sabemos que Cristo é o Senhor, digno de louvor, pois foi Ele quem fez os céus e a terra e tudo que nela há “NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez” ( Jo 1:1 -3); “Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de equidade é o cetro do teu reino. Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu Com óleo de alegria mais do que a teus companheiros. E: Tu, Senhor, no princípio fundaste a terra, E os céus são obra de tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permanecerás; E todos eles, como roupa, envelhecerão, E como um manto os enrolarás, e serão mudados. Mas tu és o mesmo, E os teus anos não acabarão” ( Hb 1:8 -12).

O salmista descreve o Messias pleno de glória e majestade, pleno de poder e de formosura em sua habitação. Diante de tamanho esplendor, o salmista ordena às famílias da terra a se rederem ao Senhor, ou seja, ‘tributa-se gloria e força ao Senhor’ quando o homem se render ao Senhor. É o mesmo que dizer: “Digna-te em salvar-nos”! “Glória e majestade estão ante a sua face, força e formosura no seu santuário. Dai ao SENHOR, ó famílias dos povos, dai ao SENHOR glória e força” (v. 6 e 7; Sl 40:13 ).

Quando o salmista convoca os homens à ‘dar glória ao Senhor’, não quer dizer que o homem é capaz de acrescentar glória Àquele que é pleno de glória. Deus não carece de glória e reconhecimento, antes, quando o homem reconhece que necessita de Deus, está ‘tributando’ glória a Deus, pois é neste momento que Deus realiza a sua obra “Digna-te, SENHOR, livrar-me: SENHOR, apressa-te em meu auxílio” ( Sl 40:13 ); “Dai ao SENHOR a glória devida ao seu nome; trazei oferenda, e entrai nos seus átrios” (v. 8 ; Jo 6:29 ; Sl 145:10 ; Ef 1:12 ).

É Deus que estabeleceu a sua glória ao resgatar das trevas homens que são transportados para o reino do Filho do seu amor. Somente após Deus arrancar o homem do charco de lodo é que Deus coloca na boca um novo cântico “Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo, pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos. E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no SENHOR” ( Sl 40:2 -3).

Como adorar o Senhor na beleza da sua santidade? A resposta vem a seguir: tremendo diante d’Ele, ou seja, obedecendo ao Senhor “Adorai ao SENHOR na beleza da santidade; tremei diante dele toda a terra” (v. 9) “Ao SENHOR dos Exércitos, a ele santificai; e seja ele o vosso temor e seja ele o vosso assombro” ( Is 8:13 ); “Servi ao SENHOR com temor, e alegrai-vos com tremor” ( Sl 2:11 ); “De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor” ( Fl 2:12 ).

É equivocada a ideia de que Deus inspira medo, terror, em suas criaturas “Sua grandeza inspira temor. Quem teria coragem de aproximar-se de um Ser de tamanha importância?!”  (Idem). Em primeiro lugar, Deus não aterroriza as suas criaturas; Em segundo lugar, é impossível ao homem aproximar-se de Deus, mesmo com coragem, porque é Deus que se aproximou do homem ao enviar o mediador, Jesus Cristo homem.

A palavra de Deus é o temor, e obedecer à palavra é tremor, como se lê: “Ouvi a palavra do SENHOR, os que tremeis da sua palavra. Vossos irmãos, que vos odeiam e que para longe vos lançam por amor do meu nome, dizem: Seja glorificado o SENHOR, para que vejamos a vossa alegria; mas eles serão confundidos” ( Is 66:5 ). Cristo é o temor do Senhor, pois Ele é a encarnação do Verbo, e todos os que O obedecem adoram-No na beleza da sua santidade “ORA, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus” ( 2Co 7:1 ); “Vinde, meninos, ouvi-me; eu vos ensinarei o temor do SENHOR” ( Sl 34:11 ).

Quando o apóstolo Pedro ordena que os cristãos santifique o Senhor em seus corações, ele fez referencia a Cristo, pois Cristo é a pedra que os edificadores rejeitaram “Ao SENHOR dos Exércitos, a ele santificai; e seja ele o vosso temor e seja ele o vosso assombro. Então ele vos será por santuário; mas servirá de pedra de tropeço, e rocha de escândalo, às duas casas de Israel; por armadilha e laço aos moradores de Jerusalém. E muitos entre eles tropeçarão, e cairão, e serão quebrantados, e enlaçados, e presos” ( Is 8:13 ; 1Pe 3:15 ).

Profeticamente o salmista ordena aos povos que adorem a Cristo, pois Ele é Senhor sobre a terra e o céu, pois Davi O chama de Senhor “Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como é seu filho?” ( Mt 22:45 ; Sl 110:1 ).

O salmista é claro: é necessário anunciar às nações que Jesus é rei e reina, pois o seu reino foi estabelecido em justiça e verdade “Dizei entre os gentios que o SENHOR reina. O mundo também se firmará para que se não abale; julgará os povos com retidão” (v. 10). Foi Ele quem fundou a terra, de modo que ela não vacilará. Do mesmo modo que a terra não vacila porque Ele a sustem, Ele reinará e julgará os povos com retidão ( Is 32:1 ; Lc 1:33 ).

Em seguida o salmista conclama aos seus que se alegrem pelo regozijo estabelecido sobre a terra. Há alegria nos céus por um pecador que se arrepende! Toda a criação geme na expectativa da aparição dos filhos de Deus! “Alegrem-se os céus, e regozije-se a terra; brame o mar e a sua plenitude” (v. 11 ; Rm 8:18 ; Lc 15:10 ).

Quando o salmista ordena, dizendo: “Alegre-se o campo com tudo o que há nele” (v. 12), ele fala por enigmas, pois o campo é o mundo, e tudo que nele há refere-se aos povos. Aqueles que buscam a salvação do Senhor se regozijarão, pois tornar-se-á plantação do Senhor, árvores de justiça.

Na presença do senhor há abundância de alegria, por isso é que o salmista manda os povos jubilarem ante a face de Cristo, pois é certo que Ele virá e julgará os povos “Ante a face do SENHOR, porque vem, porque vem a julgar a terra; julgará o mundo com justiça e os povos com a sua verdade” (v. 13; Mt 25:31 -34).

O resplendor de Deus se vê na face de Cristo, pois Ele é o sol nascente das alturas por quem os homens são salvos “Faze-nos voltar, ó Deus, e faze resplandecer o teu rosto, e seremos salvos” ( Sl 80:3 ); “Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo” ( 2Co 4:6 ).

 

Adorando na beleza da Santidade

Cantar ao Senhor e celebrar a santidade do Senhor só é possível aos santos “Cantai ao SENHOR, vós que sois seus santos, e celebrai a memória da sua santidade” ( Sl 30:4 ).

A adoração não decorre de liturgias, cultos, oferendas, sacrifícios, etc., antes a essência da adoração é a nova criatura, obra que louva a Deus ( Sl 145:10 ; Ef 1: 12), pois é gerada segundo Deus em verdadeira justiça e santidade.

Para adorar a Deus na beleza da sua santidade é necessário crer em Cristo, santificando-O como Senhor em seu coração ( 1Pe 3:15 ), ou seja, crendo nele como o Filho de Davi, o Filho do Deus bendito.

Quando o homem crê em Cristo está tomando sobre si a sua própria cruz e seguindo após Cristo. Ao crer em Cristo o homem morre, é sepultado e ressurge com Ele uma nova criatura. No momento em que o homem é de criado de novo, com um novo coração e um novo espírito, é que Deus ‘encontra’ o verdadeiro adorador.

No momento em que o homem é regenerado (nasce de novo), surge um adorador que adora a Deus em espírito e em verdade, pois foi criado segundo Deus, em verdadeira justiça e santidade.

O verdadeiro adorador reúne em si mesmo os quesitos essenciais ao culto a Deus, pois ao nascer de novo torna-se pedra viva que compõe o edifício espiritual em que Deus habita. Tem-se no novo homem o templo em que Deus faz morada, templo, casa, tabernáculo.

O novo homem também exerce sacerdócio santo, pois oferece sacrifícios espirituais agradáveis a Deus. Como sacerdócio real, o cristão oferece o fruto dos lábios e apresenta o seu próprio corpo em sacrifício vivo ( Rm 12:1 ; Hb 13:15 ).

O que é o fruto dos lábios? ( Hb 13:15 ) É o cântico novo que fala da majestade de Cristo, da sua força e da glória do seu reino ( Sl 145:5 -6 e 11).

Sem crer em Cristo, o Senhor dos exércitos, é impossível agradar e aproximar-se de Deus, mas aos que creem n’Ele, criados de novo na condição de filhos, O adoram na beleza da sua santidade “Ó SENHOR, quem é como tu entre os deuses? Quem é como tu glorificado em santidade, admirável em louvores, realizando maravilhas?” ( Ex 15:11 ).

É um equivoco a ideia de que o homem consegue se santificar, antes é Deus que santifica o homem ao cria-lo em verdadeira justiça e santidade “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória” ( Jd 1:24 ); “Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível” ( Ef 5:27 ); “No corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis” ( Cl 1:22 ).

Falas equivocadas acerca da santidade são reproduzidas aos montes sobre os púlpitos cristãos, tais como: – ‘Aquele que quer adorar a Deus não deve fazê-lo com sua vida de qualquer maneira’ – afirmando que a santificação está atrelada à mudança de comportamento, porém, as Escrituras afirma que o homem é santificado quando é gerado de novo, qusando o homem passa a estar escondida com Cristo em Deus.

Dizem também: – ‘Para que a adoração seja aceita, Deus quer ver santidade no adorador’ – Quem deseja ver santidade é o pregador de mensagens semelhantes a esta, pois julgam os outros segundo a vista, e não segundo a reta justiça “Vós julgais segundo a carne; eu a ninguém julgo” ( Jo 8:15 ); “Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça” ( Jo 7:24 ). No homem gerado da carne e do sangue Deus não vê santidade, porém, no novo homem gerado em Cristo, Deus vê santidade, pois ao gerar o novo homem, a natureza de Deus é implantada nele ( 2Pe 1:4 ).

E, por fim, apresentam o seguinte verso como pretexto do que dizem: “Segui a paz com todos e a santificação; sem a santificação ninguém verá o Senhor” ( Hb 12:14 ; At 4:12 ).

Ora, é Cristo quem nos santificou “E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus” ( 1Co 6:11 ). O escritor aos Hebreus utilizou um recurso linguístico neste verso chamado metonímia*, onde ele substitui o autor pela sua obra. A santificação é obra realizada por Cristo, portanto, quem segue a Cristo, segue a santificação. O cristão segue a Cristo, pois Ele é a nossa paz e a nossa santificação.

Portanto, quando lemos: Seguia a paz e a santificação, devemos compreender que é recomendado seguir a Cristo, pois sem Cristo ninguém verá a Deus “Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo” ( Ef 4:15 ); “… e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor” ( 2Tm 2:22 ). Neste verso ocorre o mesmo fenômeno linguístico. Cristo é o caminho a verdade e a vida, portanto, o homem deve obedientemente seguir a verdade – Cristo, pois Ele é o caminho que conduz a Deus “Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra” ( Ef 5:26 ).

*Metonímia – é um emprego de um termo por outro, dada a relação de semelhança ou a possibilidade de associação entre eles.

Ler mais

Salmo 149 – A palavra de Deus é espada de dois gumes

Proclamando a Cristo, como diz as Escrituras, os seus santos estarão entoando louvores a Deus. Basta ao povo do Altíssimo batalhar pela Fé (evangelho), que uma vez foi dada aos santos, que estará adorando a Deus, na beleza da sua santidade. Basta desembainhar a espada do Espírito, manejando bem a palavra de Deus, que o crente estará adorando a Deus, em espírito e em verdade. 


Salmo 149 – A palavra de Deus é espada de dois gumes

  1. LOUVAI ao SENHOR. Cantai ao SENHOR um cântico novo, e o seu louvor na congregação dos santos.
  2. Alegre-se Israel naquele que o fez, regozijem-se os filhos de Sião no seu Rei.
  3. Louvem o seu nome com danças; cantem-lhe o seu louvor com tamborim e harpa.
  4. Porque o SENHOR se agrada do seu povo; ornará os mansos com a salvação.
  5. Exultem os santos na glória; alegrem-se nas suas camas.
  6. Estejam na sua garganta os altos louvores de Deus, e espada de dois fios nas suas mãos,
  7. Para tomarem vingança dos gentios, e darem repreensões aos povos;
  8. Para prenderem os seus reis com cadeias, e os seus nobres com grilhões de ferro;
  9. Para fazerem neles o juízo escrito; esta será a glória de todos os santos. Louvai ao SENHOR.

 

Introdução

Tornou-se consenso nas comunidades cristãs, que louvar a Deus é entoar uma melodia harmoniosa e ritmada, com uma letra de conteúdo sacro. Seria este o louvor que Deus requer dos homens?

Se observarmos os elementos que constituem as poesias dos Salmos, vê-se que não há rima ou ritmo antes, nos deparamos com ideias cadenciadas e relacionadas entre si, regidas por asserções simples.

Os salmos são comumente empregados durante as liturgias dos cultos e as pessoas atribuem valor à coordenação de um grupo musical ou, à voz de um cantor, quando embalado por uma boa melodia, ao som de instrumentos musicais. Para muitos, a sinergia decorrente da combinação de sons, ritmos e voz humana, resulta em louvor a Deus, desde que tenha uma letra com conteúdo sacro.

No entanto, os Salmos possuem um valor inestimável, que dispensa instrumentos musicais, melodias ou vozes afinadas.

É de conhecimento no meio acadêmico, que a estrutura poética dos Salmos, decorre de pensamentos encadeados, uma espécie de ‘rima’ de ideias, não de sons, ritmo ou rima. Essa estrutura de ideias, constrói-se com ‘paralelismo’.

Os paralelismos mais conhecidos são:

a) Paralelismo Sinônimo – A segunda asserção repete o pensamento da primeira, porém, utiliza-se de termos diferentes. Ex: “Ao SENHOR pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam” (Salmo 24:1);

b) Paralelismo Antitético – A segunda asserção contrasta à ideia da primeira. Ex: “Pois o Senhor conhece o caminho dos justos; mas o caminho dos ímpios perecerá” (Sl 1:6);

c) Paralelismo Sintético – A segunda asserção enfatiza o estipulado pela primeira. Ex: “Não te furtes a fazer o bem, a quem de direito, estando na tua mão o poder de fazê-lo(Pv 3:27);

d) Paralelismo Climático – A segunda asserção faz uso de palavras da primeira asserção e complementa a ideia. Ex: “Tributai ao SENHOR, filhos de Deus, tributai ao SENHOR, glória e força (Sl 29:1);

e) Paralelismo Emblemático – A primeira asserção estabelece um comparativo que ilustra a segunda asserção. Ex: “Como água fria para o sedento, tais são as boas-novas vindas de um país remoto” (Pv 25:25).

Os paralelismos são utilizados para apresentar uma ideia, o elemento mais importante do Salmo, que geralmente é instrução, profecia, repreensão, exemplo, etc.

 

Análise das asserções

“LOUVAI ao SENHOR. Cantai ao SENHOR um cântico novo e o seu louvor na congregação dos santos” (v. 1).

O salmista convoca os santos a cantarem o louvor que pertence a Deus: um cântico novo. O louvor estabelecido na congregação dos santos, denomina-se ‘cântico novo’. Através do paralelismo sinônimo fica estabelecido que ‘tributar’ ao Senhor o ‘cântico novo’ é o mesmo que ‘Seu louvor’. O cântico novo é o louvor que pertence a Deus e só é possível ouvi-lo no ajuntamento dos santos. 

Para compreendermos a ideia que consta do verso 1, é necessário analisar os versos que se seguem.

 

“Alegre-se Israel naquele que o fez, regozijem-se os filhos de Sião no seu Rei” (v. 2).  

O verso 2 é construído com um paralelismo sinônimo, pois a ideia da primeira asserção é repetida na segunda, com termos diferentes. O paralelismo, neste caso, é semelhante ao princípio da identidade que encontramos na lógica. O verso demonstra que Israel ou, os filhos de Sião, devem se alegrar n’Aquele que os criou, ou seja, no seu Rei. 

Por associação, se faz necessário perguntar quem é o Rei de Sião?  

Ora, em primeiro lugar, vale destacar que Jerusalém é a cidade do grande Rei: 

“Formoso de sítio e, alegria de toda a terra, é o monte Sião, sobre os lados do norte, a cidade do grande Rei” (Sl 48:2);  

“Nem pela terra, porque é o escabelo de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei” (Mt 5:35).  

Em segundo lugar, o Filho de Davi – o Senhor Jesus Cristo – é o grande Rei, pois foi ungido por Deus sobre o seu santo monte: 

“Eu, porém, ungi o meu Rei sobre o meu santo monte de Sião” (Sl 2:6);  

“E, ouvindo eles isso, unânimes, levantaram a voz a Deus e disseram: Senhor, tu és o Deus que fizeste o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há; Que disseste, pela boca de Davi, teu servo: Por que bramaram os gentios e os povos pensaram coisas vãs? Levantaram-se os reis da terra, E os príncipes se ajuntaram à uma, Contra o Senhor e contra o seu Ungido. Porque, verdadeiramente, contra o teu santo Filho Jesus, que tu ungiste, se ajuntaram, não só Herodes, mas Pôncio Pilatos, com os gentios e os povos de Israel; Para fazerem tudo o que a tua mão e o teu conselho tinham anteriormente determinado, que se havia de fazer” (At 4:24-28).  

Portanto, o Salmo 149 ordena aos filhos de Sião que se regozijem em Cristo, o grande Rei, aquele que criou Israel!

O Salmo 149 apresenta um atributo de Cristo: Ele é criador! Cristo é o Criador de todas as coisas! 

“Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele e sem ele, nada do que foi feito se fez” ( Jo 1:2 -3);  

“Declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor” (Rm 1:4).  

O profeta Moisés apresenta Cristo como a Rocha que criou os filhos de Israe, e o apóstolo Paulo nos lembra que a Rocha, que os seguia, era Cristo: “E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo” (1 Co 10:4). 

“E, engordando-se Jesurum, deu coices (engordaste-te, engrossaste-te e de gordura te cobriste), deixou a Deus, que o fez e desprezou a Rocha da sua salvação” (Dt 32:15); 

“Esqueceste-te da Rocha que te gerou; e, em esquecimento, puseste o Deus que te formou” (Dt 32:18).

 

“Louvem o seu nome com danças; cantem-lhe o seu louvor, com tamborim e harpa” (v. 3).  

O cântico entoado a Cristo deve ser expressão do espírito, da alma e do corpo. A dança representa a totalidade do ser, de modo que, para louvar a Deus, é necessário o coração, a alma e todas as forças: “BENDIZE, ó minha alma, ao SENHOR e tudo o que há em mim, bendiga o seu santo nome” (Sl 103:1).

 

“Porque o SENHOR se agrada do seu povo; ornará os mansos com a salvação. 5  Exultem os santos na glória; alegrem-se nas suas camas. Estejam na sua garganta os altos louvores de Deus e espada de dois fios nas suas mãos” (v. 5-6).  

Neste verso vem expresso o motivo do cântico: O Senhor se agrada do seu povo!  

Do verso 5 extraímos a negativa: Deus não se agrada daqueles que não são o seu povo! Para pertencer ao povo de Deus, ou seja, para ser agradável a Deus, é necessário ter sido criado por Ele, conforme se lê:  

“Sabei que o SENHOR é Deus; foi ele que nos fez e não nós a nós mesmos; somos povo seu e ovelhas do seu pasto” (Sl 100:3). 

O verso 5 remete à asserção do verso 2:  

“Alegre-se Israel naquele que o fez, regozijem-se os filhos de Sião no seu Rei” (v. 2). 

Por que o júbilo? Porque se Deus os criou, certo é que são agradáveis a Deus. 

Como o povo de Israel não confiou em Deus e pediu para que Moisés lhes falasse, não Deus, pois ficaram com medo de morrerem quando o monte Sinai começou a fumegar, Deus os rejeitou como seu povo e por isso pereceram no deserto. 

“Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha. E vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel” (Ex 19:5-6). 

Como os filhos de Israel não foram diligentes em ouvir a voz de Deus, ou seja, em guardarem a sua aliança, a palavra de Deus foi direcionada aos gentios e, dos dois povos, foi feito um só povo, que é a Igreja: “Porque este é um povo rebelde, filhos mentirosos, filhos que não querem ouvir a lei do SENHOR” (Is 30:9). A Igreja de Cristo foi constituída nação santa e povo adquirido: “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pe 2:9; Is 65:1). 

O povo de Deus é constituído daqueles que foram agraciados com a salvação, ou seja, dos mansos. Os mansos são bem-aventurados, pois adentraram no descanso do Senhor (herdaram a terra). São bem-aventurados porque aprenderam de Cristo, que é manso e humilde de coração. Os mansos constituem-se o povo de Deus, visto que estão ornados de salvação (Mt 5:5). 

O povo de Deus é manso e santo, portanto, deve alegrar-se na glória recebida de Cristo. Os santos do Senhor devem exultar, porque adentraram no descanso (cama, repouso) prometido: “E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um” (Jo 17:22; v. 9; Hb 4:3). 

É requisito imprescindível aos santos que os altos louvores de Deus estejam na sua garganta. O que isso significa? Que os ‘altos louvores’ referem-se ao ‘fruto dos lábios’ que professam a Cristo (Hb 13:15). Cristo, o Filho de Davi, é o cântico novo que Deus colocou nos lábios dos seus santos. Cristo é o perfeito louvor: “E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir os seus selos; porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, língua, povo e nação” (Ap 5:9). 

Só é possível os altos louvores estarem na garganta, se o coração foi trocado por um novo coração, pois a boca fala do que há no coração (Sl 51:10 e 14-15; Is 57:15 e 19). É Deus quem cria o louvor nos lábios dos tristes: paz, tanto para os judeus (perto), quanto para os gentios (longe). Confessar que Jesus é o Cristo, é o sacrifício de louvor, o fruto dos lábios, quando se confessa a Cristo: “Portanto, ofereçamos, sempre, por ele, a Deus, sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome” (Hb 13:15; Sl 50:14 e 23; Sl 107:22; Jo 15:8). 

Através do paralelismo emblemático, o salmista estabelece que ‘os altos louvores de Deus’, compara-se a uma espada de dois fios, nas mãos dos seus santos. É por isso que o apóstolo Paulo, ao falar aos obreiros, recomenda que sejam aprovados, ou seja, que manejem bem a palavra da verdade: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (2 Tm 2:15). 

A espada de dois fios, diz da espada do Espírito, das palavras de Cristo, que são espírito e vida: “Tomai, também, o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Ef 6:17; Jo 6:63), de modo que a Igreja de Cristo constitui-se de santos, despenseiros do ministério do espírito  (2 Co 3:6 e 8). 

Aquele que proclama a Cristo como Senhor e salvador dos homens, está com os altos louvores de Deus em sua garganta. Falar de Cristo aos homens é o mesmo que ter a espada de dois fios nas mãos: “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, mais penetrante do que espada alguma de dois gumes,  penetra até à divisão da alma e do espírito, das juntas e medulas e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” (Hb 4:12). 

Proclamando a Cristo, como diz as Escrituras, os seus santos estarão entoando louvores a Deus. Basta ao povo do Altíssimo batalhar pela Fé (evangelho), que uma vez foi dada aos santos, que estará adorando a Deus, na beleza da sua santidade. Basta desembainhar a espada do Espírito, manejando bem a palavra de Deus, que o crente estará adorando a Deus, em espírito e em verdade. 

O evangelho é salvação para todo que crê, portanto, o cristão deve exultar com o evangelho. O cântico, o louvor, a exultação e a adoração do cristão, não se firmam em cânticos entoados durante a liturgia dos cultos antes, é por professar a Cristo como Senhor.  Deus é glorificado, quando o crente dá muito fruto (Jo 15:8) e para isso foi plantado pelo Senhor (Is 61:3; Is 60:21). 

Todos que estão ligados à Videira verdadeira produzem muito fruto, ou seja, o fruto dos lábios que confessam a Cristo (Hb 13:15). É através deste fruto dos lábios que confessam a Cristo, que Deus é glorificado (Jo 15:8). 

“E todos os do teu povo serão justos, para sempre herdarão a terra; serão renovos por mim plantados, obra das minhas mãos, para que eu seja glorificado” (Is 60:21);  

“Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá; para que, em tudo, Deus seja glorificado, por Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o poder para todo o sempre. Amém” (1 Pe 4:11). 

É inútil afinar instrumentos musicais; não adianta fazer inúmeros ensaios musicais; não adianta estruturar um grande coral; tão pouco gritar ‘aleluia’ e ‘glória’, se o adorador não professar a Cristo como Senhor, conforme diz as Escrituras. Mas, se professar a Cristo segundo as Escrituras, nisto Deus é glorificado! 

 

“Para tomarem vingança dos gentios, e darem repreensões aos povos; Para prenderem os seus reis com cadeias e os seus nobres com grilhões de ferro; Para fazerem neles o juízo escrito; esta será a glória de todos os santos. Louvai ao SENHOR” (v. 7-9).

O salmo termina apontando aspectos do reino milenar de Cristo. O salmista, em espirito (profecia), faz menção de Cristo, quando for entregue o reino pelo Pai (v. 7 e 9). Cristo, antes de se assentar como Rei no trono de Davi seu Pai, quando reinará sobre toda a terra, pisará o lagar da ira de Deus, conforme o descrito pelo profeta Isaias no capítulo 63, versos 1 a 6.

“QUEM é este, que vem de Edom, de Bozra, com vestes tintas; este que é glorioso em sua vestidura, que marcha com a sua grande força? Eu, que falo em justiça, poderoso para salvar. Por que está vermelha a tua vestidura e as tuas roupas, como as daquele que pisa no lagar? Eu sozinho pisei no lagar e, dos povos, ninguém houve comigo; e os pisei na minha ira, e os esmaguei no meu furor; e o seu sangue salpicou as minhas vestes, e manchei toda a minha vestidura. Porque o dia da vingança estava no meu coração; e o ano dos meus remidos é chegado. E olhei, e não havia quem me ajudasse; e admirei-me de não haver quem me sustivesse, por isso, o meu braço me trouxe a salvação e o meu furor me susteve. E atropelei os povos na minha ira, e os embriaguei no meu furor; e a sua força derrubei por terra” (Is 63:1 -6)

Jesus Cristo atropelará os povos na sua ira, pois Ele é o braço do Senhor, que faz o que é aprazível ao Pai (Is 62:5).

Como Deus prometeu ao Seu Filho as nações da terra por herança (Sl 2:8; Mt 19:28), Cristo há de reger as nações com vara de ferro (Sl 2:9). Nada do que foi predito por Deus falhará, pois Deus fará cumprir nos reis da terra e, em seus nobres, o juízo pré-estabelecido nas Escrituras (v. 9).

Ler mais