Caim e Abel

Caim e Abel

A oferta de Abel não foi melhor em essência que a oferta de Caim! A oferta não torna ninguém diferente, ou melhor, diante de Deus, pois tudo que há na terra pertence a Deus, tanto os frutos da terra quanto as crias das ovelhas.

“Todos estes morreram na fé. Não alcançaram as promessas” ( Hb 11:13 )

Uma das características inegável da fé esta na esperança proposta e não nas conquistas e realizações pessoais que muitos pensam em conquistar.

Observe os exemplos citados pelo escritor aos Hebreus:

"Pela fé Abel ofereceu melhor sacrifício"

Muitos pensam que a oferta é o diferenciou Caim e Abel diante de Deus, ou seja que a oferta de Abel continha elementos superiores a oferta de Caim.

Sobre este aspecto escreveu Scofield: "Este tipo se destaca em contraste à oferta desprovida de sangue, de Caim, dos frutos da terra e declara, na infância da raça humana, a verdade principal de que 'sem derramamento de sangue não há remissão'" ( Hb 9:22 ; Hb 11:4 ).

É correta a assertiva de que 'sem derramamento de sangue não há remissão de pecado', porém, a citação deste verso não valida o pensamento do Dr. Scofield.

A oferta de Abel não era melhor ou superior a oferta de Caim! Oferta não torna ninguém aceitável a Deus. Devemos lembrar do que é dito pelo salmista: tudo que há na terra pertence a Deus, tanto os frutos da terra quanto as crias das ovelhas ( Sl 50:8 -13).

"O diferencial parte do próprio ofertante, e não na oferta!"

Abel alcançou testemunho de que agradou a Deus, não pela oferta que ofereceu, e sim por te-lo feito mediante a fé. É com base no firme fundamento (fé) que Abel alcançou testemunho de que era justo, e não através da sua oferta.

Deus não aceita as pessoas em função de ofertas ou sacrifícios, e sim, pela sua infinita misericórdia, bastando para isto que o homem confie n'Ele.

Caim tentou aproximar-se de Deus confiando que a sua oferta o faria agradável a Deus, e, por isso, primeiramente ele não foi aceito e nem a sua oferta.

"Mas para Caim e para a sua oferta não atentou..." ( Gn 4:5 )

Abel foi até Deus convicto que seria aceito e galardoado porque Deus é misericordioso. Ele foi aceito e a sua oferta também. Abel confiou em Deus, que é galardoador e foi aceito. Já Caim estava confiado na oferta, e permaneceu reprovável diante de Deus.

Abel recebeu a recompensa, pois Deus atentou para Ele e para a sua oferta: foi declarado justo.

Observe que Deus atenta em primeiro lugar para o homem que n'Ele confia, e depois para a oferta. O testemunho de Deus quanto a oferta de Abel decorre do fato de ele ter sido aceito por Deus pela fé.

Observe que, pela fé Abel ofereceu melhor sacrifício que Caim, tanto que, até depois de morto a sua oferta lhe deu testemunho da justiça alcançada.

"...e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta" ( Gn 4:4 )

Em nossos dias vemos muitos lideres religiosos concitando os seus liderados a fazerem votos, ofertas, sacrifícios, contribuições, etc. Para isso, apresenta a oferta ou o sacrifício como elemento essencial para alcançar a 'bênção' de Deus.

Esses lideres argumentam que, quando maior a oferta, maior é a fé do ofertante. Ou, apresenta o pretexto de que quanto maior a 'semeadura', maior a colheita. Invertem ou transtornam os valores que a Bíblia apresenta.

O homem só é aceito por Deus por meio da fé, e, só então a oferta é recebida por Deus, pois o salmista diz: "Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano" ( Sl 32:2 ). É declarado justo aquele que Deus não imputa maldade, e não aquele que oferece sacrifício.

Abel não foi até Deus por causa de uma 'bênção', mas pela fé alcançou um bom testemunho "Foi por ela que os antigos alcançaram bom testemunho" ( Hb 11:2 ).

Desta forma compreendemos o exposto pelo escritor aos Hebreus: "Pela fé Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim..." ( Hb 4:4 ).

Por ter se aproximado de Deus pela fé, Abel recebeu testemunho de Deus de que era justo. Observe que a oferta jamais poderia justificar Abel, pois o escritor aos Hebreus já havia demonstra que o sangue de animais jamais poderia tirar pecado ( Hb 10:4 ).

O que é impossível a sangue de touros que se oferece em holocaustos, é possível pela fé, pois, pela fé Abel alcançou de Deus testemunho de que era justo "... pelo qual alcançou testemunho de que era justo..." ( Hb 11:4 ).

Deus não muda e nem a sua palavra: "Pois não desejas sacrifícios, senão eu os daria; tu não te deleitas em holocaustos" ( Sl 51:16 ).

Quando Cristo se apresenta ao Pai, também declarou por intermédio do profeta: "Sacrifício e oferta não quiseste; os meus ouvidos abriste; holocausto e expiação pelo pecado não reclamaste" ( Sl 40:6 ), de modo que foi obediente até a morte e morte de cruz ( Fl 2:8 ).

Ora, Cristo foi obediente porque Deus requer dos homens obediência, e não sacrifício: "Porque eu quero a misericórdia, e não o sacrifício; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos" ( Os 6:6 ); "Porém Samuel disse: Tem porventura o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios, como em que se obedeça à palavra do SENHOR? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros" ( 1Sm 15:22 ). 

Itens relacionados (por tag)

  • A cruz serrada

    Aquele que ‘nega a si mesmo’ e ‘toma a sua cruz’ é bem-aventurado, pois compreende que com relação ao evangelho não somente é concedido crer em Cristo, mas também padecer pela mensagem da cruz "Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele" ( Fl 1:29 ); "Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus” ( Mt 5:10 ).

  • Fé versus Obras

    Ninguém é ou será salvo por boas ações. A salvação só é possível por intermédio do evangelho de Cristo, portanto, o verso 19 é o mais significativo do capítulo 2 da epístola de Tiago: “Tu crês que há um só Deus; fazes bem. Também os demônios o creem, e estremecem” (Tg 2:19), pois ter fé em Deus e não obedecer o Seu mandamento, que é crer no amor que nos tem dado, constitui-se em uma fé morta em si mesma (Tg 2:17), uma vez que a vida eterna só é possível através do Filho: “Quem tem o Filho tem a vida, mas quem não tem o Filho de Deus não tem vida” (1Jo 5:12).

     

  • O que é Justificação?

    A justificação não é forense e nem um ato judicial de Deus pelo qual Ele perdoa, isenta e trata o homem que não é justo como se justo fosse. Ora, se Deus tratasse um injusto como se justo fosse, na verdade estaria cometendo injustiça. Caso Deus declarasse um pecador como sendo justo, teríamos uma declaração fictícia, imaginária, pois Deus estaria declarando algo inverídico acerca do homem.

Entre para postar comentários