Compartilhar:
image_pdfimage_print

Em crer em Cristo não há mérito, pois não há vanglória em obedecer, ou jactância em se fazer servo. Crer em Cristo é o mandamento de Deus, e o amor de Deus é que obedeçamos aos seus mandamentos.


A fé que uma vez nos foi dada

“Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos veja, quer esteja ausente, ouça acerca de vós que estais num mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho.” (Filipenses 1:27).

Você compreende o significado da fé foi concedida por Deus? Você entende o conceito de fé que é dom de Deus? Você sabe qual é a fé que o apóstolo Paulo guardou após combater o bom combate?

 

Fidelidade

Os apóstolos utilizaram o substantivo grego πίστις, transliterado ‘pistis’ quando fizeram referência a fé que foi dada (Judas 1:3), a fé que é dom de Deus (Efésios 2:8), e que pode ser guardada ao fim do combate (2 Timóteo 4:7).

A ‘fé que foi dada’ diz do evangelho: uma doutrina que exige confissão, ou seja, diz de um mandamento que deve ser obedecido.

Quando lemos que o evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê (Romanos 1:16), ou, que quem ouve a palavra da verdade, o evangelho da salvação e crê, passa a estar em Cristo (Efésios 1:13), entendemos que a ‘fé que foi dada’ é o que faz os homens agradáveis a Deus (Hebreus 11:6).

A fé que foi dada diz de um firme fundamento (Hebreus 11:1), na qual o cristão deve permanecer fundados e firmes, sem se demover:

“Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro.” (Colossenses 1:23).

A fé que foi dada assume vários significados no Novo Testamento, pois há passagens em que a fé é apresentada como mensagem (Romanos 1:8), ou doutrina a ser obedecida (Romanos 1:5), ou um conhecimento mútuo (Romanos 1:12). Em outras passagens a palavra fé assume o significado de Cristo, como a fé a ser manifesta (Gálatas 3:23), ou como a fé que veio para remover o aio (Gálatas 3:25).

Essas ressignificação do substantivo grego πίστις só é possível porque a Bíblia apresenta Jesus como o autor e consumador da fé.

“Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.” (Hebreus 12:2).

Como Cristo e o tema do evangelho, podemos utilizar o termo fé para falar do evangelho como ‘pregação da fé’ (Gálatas 3:2 e 3). Ou, como o tema da doutrina do evangelho é Cristo, podemos dizer que batalhar por Cristo é batalhar em defesa da fé do evangelho (Filipenses 1:27). Judas, ao falar da salvação comum aos cristãos, que é Cristo, sentiu a necessidade de exortar a batalhar pela fé, ou seja, pelo evangelho.

A ‘fé’ é descrita pelo apóstolo dos gentios como dom de Deus porque Cristo é o dom de Deus (Efésios 2:8; João 4:10). Sem Cristo, o dom de Deus, a fé manifesta ou o firme fundamento, não há salvação, porquanto não há outro nome dado entre os homens pela qual devam ser salvos (Atos 4:12).

Graciosamente Deus deu ao mundo o seu Filho Unigênito, o dom da fé, pela qual o justo viverá, como está escrito: “Eis que a sua alma está orgulhosa, não é reta nele; mas o justo pela sua fé viverá.” (Habacuque 2:4).

Primeiro foi dado aos homens Cristo, a fé manifesta, e por Cristo é dado um mandamento:

“Por isso também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; E quem nela crer não será confundido.” (I Pedro 2:6).

A pedra principal de esquina é posta por Deus, portanto o firme fundamento. E em seguida é dado um mandamento: “E quem nela crer não será confundido”!

 

Esperança proposta

“E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo o seu mandamento.” ( João 3:23).

Crer, acreditar, descansar, repousar, confiar, etc., em Cristo não é o dom de Deus, o dom de Deus é Cristo, o firme fundamento. A fé como doutrina, evangelho, verdade, Cristo, etc., precede a crença, pois esta só ocorre em função daquela.

O termo grego traduzido por crer é o verbo πιστεύω, transliterado pisteuó. Os apóstolos não fazem referencia a Cristo, ao evangelho, à verdade, etc., utilizando o verbo pisteuó, somente o substantivo pistis.

É por Cristo que o homem tem confiança em Deus (2 Coríntios 3:4). Sem Cristo não há como o homem confiar e ser recompensado. Que adianta ter confiança em Deus e não ter confiança em Cristo (João 14:1), pois não foi dado aos homens serem salvos pelo nome de Deus, mas pelo nome de Cristo.

“E nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente.” (João 6:69).

Muitos, por desconhecerem a natureza da fé: Cristo a fé dada, anunciada, defendida e guardada, se embaraçam em questões como: O que veio primeiro, a fé ou o arrependimento? Quem veio primeiro, a fé ou a regeneração?

Se o leitor da Bíblia não compreender a natureza da fé, também não compreenderá a natureza do ‘crer’, e fará grande confusão.

Crer em Cristo não confere ao homem mérito, pois o mérito está em Deus que é fiel, verdadeiro, imutável e todo poderoso. O Deus não depende de o homem crer para que Ele seja verdadeiro, ou exista, antes, Ele é verdadeiro e galardoador, por isso os homens devem crer.

A fé manifesta não é o mesmo que crer, pois crer é sujeitar-se a um mandamento, e a fé é o mandamento.

“Mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé;” (Romanos 16:26).

Crer é obediência à fé, o mandamento do Deus eterno. A fé como mandamento precede o arrependimento e a regeneração.

Quando é anunciada a fé e o homem muda a sua concepção de como ser salvo, ocorre a ‘metanoia’, a mudança de concepção, ou seja, o arrependimento. Sem a mensagem do evangelho não há arrependimento, não há confissão de que Jesus é o Cristo.

Sem a fé, que é evangelho, não há a semente incorruptível, pela qual o homem é gerado de novo para uma viva esperança (1 Pedro 1:3 e 23 -25).

Em crer em Cristo não há mérito, pois não há vanglória em obedecer, ou jactância em se fazer servo. Crer em Cristo é o mandamento de Deus, e o amor de Deus é que obedeçamos aos seus mandamentos. Quem crê em Cristo nega-se a si mesmo, pois se torna servo da justiça. Negar-se a si mesmo é se humilhar, deixando de fazer a própria vontade para fazer a vontade de Deus.

 

O mandamento de Deus

“Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados.” (1 João 5:3).

Quando Deus amou o mundo, deu ao mundo um mandamento, por isso é dito:

“E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado; Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:14 -16).

O Filho do homem foi levantado como a serpente levantada por Moisés no deserto para que todo aquele que creia não pereça, antes alcance vida eterna. Há um mandamento implícito no ato de Deus dar o seu Filho, porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos.

“Mas a seu tempo manifestou a sua palavra pela pregação que me foi confiada segundo o mandamento de Deus, nosso Salvador;” (Tito 1:3).

O evangelho é a palavra de Deus confiada ao apóstolo Paulo e, Cristo é o tema do evangelho, pois a seu tempo Ele foi manifesto, e a palavra da pregação é segundo o mandamento de Deus.

A fé é o mandamento de Deus que deve ser guardado sem macula e repreensão, o que o apóstolo Paulo fez quando terminou a carreira: guardou a fé sem mácula e repreensão.

“Que guardes este mandamento sem mácula e repreensão, até à aparição de nosso Senhor Jesus Cristo;” (1 Timóteo 6:14).

Quando Jesus amou o jovem rico, também deu um mandamento, mas o mandamento dado por Deus à igreja é permanecer em Cristo, ou seja, firme na fé.

“E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Falta-te uma coisa: vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a cruz, e segue-me.” (Marcos 10:21).

O crente deve permanecer fundando e firme em Cristo, a fé que foi manifesta, e não se demover da esperança do evangelho, ou seja, não deixar de crer que Jesus é o Cristo.

“Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro.” (Colossenses 1:23).

Claudio Crispim

Nasceu em Mato Grosso do Sul, Nova Andradina, em 1973. Aos 2 anos, sua família mudou-se para São Paulo, onde vive até hoje. O pai ‘in memória’ exerceu o oficio de motorista de ônibus coletivo e a mãe comerciante, ambos evangélicos. Claudio Crispim cursou o Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública na Academia de Policia Militar do Barro Branco e, atualmente exerce a função de Capitão da Policia Militar do Estado de São Paulo. É casado com Jussara e é pai de dois filhos, Larissa e Vinícius. É articulista do Portal Estudo Bíblico (www.estudosbiblicos.org), com mais de 360 artigos publicados e distribuídos gratuitamente na web.

2 thoughts on “A fé que uma vez nos foi dada

  • 21/07/2020 em 13:45
    Permalink

    Cláudio crispim a paz de Cristo minha duvida é referente a felipensses cap 1 vers 29 porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente crerdes nele. Minha dúvida é com base nesse texto Deus só concede alguns a crer e a outros não? Essa é a dúvida, aqui Paulo falou que a eles foi concedido também a graça de crer em Cristo.

    Resposta
    • 22/07/2020 em 15:22
      Permalink

      Olá, Rawier.

      “E em nada vos espanteis dos que resistem, o que para eles, na verdade, é indício de perdição, mas para vós de salvação, e isto de Deus. Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele, Tendo o mesmo combate que já em mim tendes visto e agora ouvis estar em mim.”(Filipenses 1.28-29).

      O apóstolo alerta os cristãos a não se espantarem com os que se opunham ao evangelho, o que seria um ‘indicio de perdição’. Por que não prova? Porque o apóstolo era um opositor ferrenho, mas foi alcançado pela mensagem do evangelho. Enquanto para os opositores sinal de perdição, para o cristão sinal de salvação, tendo em vista oque Jesus disse:

      “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;” (Mateus 5 : 10).

      Por causa da oposição, o apóstolo deixa claro que, além de terem alcançado a graça de crer, o que se dá pelo anuncio do evangelho, também foi concedido sofrerem por causa da mesma mensagem, o que enseja o combate pela verdade.

      A ideia é que alcançaram salvação pela graça em Cristo porque creram no evangelho, mas não somente isso, a graça de participarem das aflições.

      “Mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis.” (I Pedro 4 : 13);

      “Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso SENHOR, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes participa das aflições do evangelho segundo o poder de Deus,” (II Timóteo 1 : 8).

      A graça de crer em Jesus vem por meio do evangelho, diferente da ideia de que essa graça veio por eleição, em função da soberana de Deus.

      Att.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content