Por que Deus exigiu de Abraão o sacrifício de Isaque?

Ora, as provações não são instrumentos de medida para se mensurar a fé daqueles que professam a Cristo, antes tem o fito de ‘redundar’ em louvor, glória e honra na revelação de Cristo “Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam” ( Tg 1:12 ). Ou seja, a provação é conforme o propósito e segundo o conselho da vontade de Deus, ‘afim de sermos para louvor da sua glória’ ( Ef 1:11 -12). Abraão foi chamado por Deus para louvor de sua glória!

 


A ordem direta de Deus a Abraão para imolar Isaque fomenta várias discussões, distorções e interpretações errôneas acerca do objetivo de tal ordem.

A despeito da onisciência de Deus, muitos questionam qual o propósito de Deus em mandar Abraão imolar o seu filho. Deus queria saber até onde Abraão era obediente? Deus queria mensurar a fé de Abraão?

A resposta é simples, porém, demanda conhecimento bíblico e raciocínio. Para responder tal indagação é necessário relembrar alguns eventos específicos concernentes a vida de Abraão. Analisemos estes três pontos principais:

 

  • O chamado de Abraão

Abraão era gentil, morava na cidade de Ur, terra dos Caldeus. Seu pai saiu da cidade de Ur com destino a terra de Canaã, porém, quando chegou a Harã, passou a habitar naquele lugar.

Abraão foi orientado por Deus a sair do meio de seus parentes seguindo para uma terra que ainda seria mostrada. Abraão saiu confiado em Deus tendo em vista uma promessa ( Gn 12:2 ). Obedeceu à voz divina, porém, levou consigo o seu sobrinho Ló até a terra de Canaã ( Gn 12:5 ).

Após passar pela terra de Canaã, novamente Deus apareceu a Abraão e prometeu aquela terra à sua descendência. Abraão, que à época chamava-se Abrão, ali edificou um altar ao Senhor, e seguiu em direção ao sul.

Abraão desceu ao Egito por causa da escassez de alimento e quando se estabeleceu no Egito adquirindo riquezas. Após ter alcançado bens o patriarca foi compelido a deixar o Egito, pois Deus feriu o rei do Egito por causa de Sara, mulher de Abraão. Em seguida, Abraão subiu do Egito para as regiões do Nequebe juntamente com Ló.

Perceba que Abraão poderia continuar morando no Egito, porém, a grande praga que sobreveio ao rei do Egito fez com que Abraão saísse de lá.

Abraão seguiu do Egito para a região do Neguebe e retornou ao local que fez o primeiro altar ao Senhor, Betel, ou seja, voltou ao ponto inicial de sua peregrinação. Após uma contenda entre os servos de Ló e os servos de Abraão, eles se separaram. Ló foi levado cativo e Abraão teve que lutar contra quatro reis para libertá-lo.

Após a guerra, saiu ao encontro de Abraão o rei de Sodoma e o rei de Salém. O rei de Salém abençoou Abraão, e o rei de Sodoma fez uma proposta a Abraão, que foi rejeitada de pronto: “Levantei a minha mão ao Senhor, o Deus Altíssimo, o Criador dos céus e da terra, jurando que não tomarei coisa alguma de tudo o que é teu, nem um fio nem uma correia de sapato, para que não digas: eu enriqueci a Abrão” ( Gn 14:22 -23).

De tudo que relembramos até aqui, surgem algumas considerações: Por que Abraão precisou sair do Egito, se ele não alcançou a promessa e viveu como peregrino na terra? Por que Abraão não aceitou a proposta do rei de Sodoma se era legitimo ele aceitar tal prêmio?

Diante da proposta do rei de Sodoma Abraão entendeu que, caso aceitasse, no futuro alguém poderia interpretar que Abraão foi enriquecido através dos bens da cidade que foi subvertida por Deus. Se Abraão ficasse com os bens do rei de Sodoma, ficaria ‘constado na história’ que, o rei de Sodoma, e não Deus havia abençoado Abraão.

Abraão foi tentado a lançar mão de bens, que no futuro poderia dar a entender a Abraão que a promessa de Deus efetivou-se por uma conquista própria. Como bem sabemos posteriormente a cidade de Sodoma foi subvertida devido a sua promiscuidade excessiva.

Porém, fica uma questão sem resposta: onde e quando Abraão alcançou o discernimento para não fazer aliança com o rei de Sodoma, rejeitando o que lhe era de direito? A saída do Egito motivada pela praga na casa do rei proporcionou a Abraão uma lição de vida que o capacitou a rejeitar a aliança com o rei de Sodoma.

Com relação às questões materiais Abraão estava consciente de que deveria esperar em Deus.

 

  • A promessa de um descendente

Deus prometeu a Abraão que a sua descendência herdaria a terra que os seus olhos estavam enxergando no momento da reiteração da promessa ( Gn 13:14 ), porém, Deus ainda não havia prometido um filho a Abraão gerado por Sara.

Em face da promessa à sua ‘descendência’ ( Gn 15:1 ), Abraão ficou incomodado por não ter filho, e pretendia fazer o damasceno Elieser, o seu servo, o seu herdeiro.

Foi quando Deus prometeu a Abraão um filho de suas entranhas, sem qualquer referência a Sara, e creu Abraão e isto lhe foi imputado por justiça ( Gn 15:4 ).

Para Abraão Deus prometeu o impossível, visto que a época da promessa era de conhecimento que Sara era estéril, porém ele creu firmado no poder e na fidelidade de Deus, sendo declarado justo diante de Deus.

Apesar de Abraão crer em Deus e ser justificado, o tempo passava e ele continuava sem filho. Diante deste quadro, a mulher de Abraão resolveu providenciar filho a Abraão, e ele aceitou dar a Sara um filho através da escrava ( Gn 16:2 ).

É bem provável que Abraão tenha interpretado a atitude de sua mulher como sendo a providência divina: 1) Ismael foi gerado segundo a carne de Abraão, e; 2) o nascimento de Ismael encaixou ‘perfeitamente’ no que Deus lhe falara (um filho de suas entranhas).

Este entendimento decorre do fato de Abraão ter feito menção do nome de Ismael quando Deus reiterou a promessa: “Oxalá viva Ismael diante de ti!” ( Gn 17:18 ). Abraão já estava compreendendo que Ismael era o filho da promessa, o seu ‘primogênito’ e herdeiro.

Algum tempo depois, Abraão foi interpelado por sua mulher, que exigiu que Ismael não herdasse juntamente com Isaque. Abraão ficou temeroso, visto que Ismael seria o seu ‘primogênito’, porém, descansou em Deus quando foi orientado a esperar na providência divina e que ele não estaria fazendo nenhum mal ( Gn 21:12 ).

 

  • O milagre

A despeito do riso de Abraão no coração, a promessa de Deus continuou de pé ( Gn 17:17 ), e no tempo determinado nasceu Isaque.

Isto demonstra que a fidelidade de Deus é a causa de Abraão ter sido justificado e abençoado segundo a promessa, visto que Abraão riu da promessa.

Em nossos dias a fé é tida como agente catalisador que desencadeia milagres, porém, o que a palavra de Deus demonstra é que a fidelidade e o poder de Deus devem ser à base da fé cristã.

Mesmo após Abraão apresentar seu servo damasceno e seu filho Ismael como opção diante de Deus, mesmo após rir da promessa, Deus permaneceu fiel à sua palavra.

Sara era estéril, de avançada idade (mais de 90 anos) e segundo a promessa de Deus concebeu Isaque. A bíblia demonstra que Abraão estava ciente das impossibilidades para se alcançar um filho com Sara:

  • Um homem de cem anos;
  • Sará com noventa anos;
  • Sará estéril ( Gn 17:17 ).

Diante das impossibilidades, o homem ri, pois não tem ideia da dimensão do poder de Deus. Diante do mar vermelho o homem fica temeroso, pois a impossibilidade do homem fica em evidência. Diante da necessidade de salvação o homem descobre que está à mercê do pecado e da morte, porém, o que é impossível aos homens, para Deus é possível.

 

Por que Deus exigiu o sacrifício de Isaque?

Através da análise anterior, fica demonstrado que certos eventos relatados na história de Abraão são difíceis de captar. O relato da história do patriarca Abraão não se prende a explicar certos porquês, antes se fixa somente nos fatos.

Como é possível a bíblia apontar Abraão como sendo um exemplo de fé, sendo que em determinado momento da sua vida ele riu da promessa, e apresentou uma alternativa diante de Deus? Não era para ele ter perdido a bênção neste evento?

Por que Abraão tentou ‘ajudar’ Deus cumprir a promessa através de Ismael? Uma leitura superficial da história de Abraão faz com que o leitor não perceba este detalhes de suma importância ao contexto geral das escrituras.

Outro ponto a se destacar é concernente a aliança proposta pelo rei de Sodoma. Abraão foi tentado a ajudar Deus com riquezas provenientes do fruto de suas conquistas pessoais, porém, rejeitou-a, pois entendeu que a sua prosperidade deveria ser fruto da promessa divina.

Isto é maravilhoso, porém, onde Abraão aprendeu esta lição? Se levarmos em conta o fato de Abraão ter sido expulso do Egito por causa de uma praga que sobreveio ao Faraó, veremos que neste evento ele aprendeu que rei algum seria o pivô da riqueza pertinente a sua descendência.

Se Abraão não aprendesse a lição no Egito, certamente sucumbiria diante da aliança e oferta do rei de Sodoma. Observe que o perigo rondava Abraão de perto. Se Abraão fizesse uma aliança com Sodoma, certamente diriam que:

  • Sodoma foi responsável pela prosperidade de Abraão, ou;
  • Abraão poderia reputar que as suas riquezas era fruto de suas conquistas pessoais.

Surge outra pergunta: havia algum risco para Abraão acerca do nascimento de Isaque, caso Deus não tivesse posto Abraão a prova. Como? Isto mesmo! Analisemos se havia algum risco para Abraão, caso ele não fosse submetido à provação.

Observe como é fácil o homem confundir-se:

É notório para nós que Isaque foi quem nasceu segundo a promessa de Deus, porém, Abraão fez menção de Ismael perante Deus, pois estava esperançoso que o filho da escrava fosse o seu herdeiro;

Embora Isaque tenha nascido segundo a promessa, Abraão ainda podia e continuou a gerar filhos, mesmo após os cem anos ( Gn 25:1 -2).

Neste ponto em específico (b) havia um grande perigo rondando o patriarca. Havia um risco para Abraão decorrente do fato de ele gerar filhos segundo a sua carne, mesmo em avançada idade. Havia o risco de Abraão se gloria da sua carne, pois mesmo em avançada idade ainda gerava filhos.

Hoje seria tema de discussão cientifica se Isaque era mesmo filho segundo a promessa, ou se Sara nunca foi estéril de fato. O cuidado que Abraão teve com relação ao rei de Sodoma, para que ninguém dissesse no futuro: “O rei de Sodoma foi quem enriqueceu a Abraão”, seria sem valia, visto que questionariam se Isaque foi realmente fruto da providência divina.

Quando nasceu Isaque, Abraão reputava com base na fé, que a promessa estava sendo cumprida. Mas, após Sara morrer e Abraão casar-se com Quetura, obtendo outros filhos, havia o risco de Abraão ser dissuadido da fé, e voltar a rir da promessa, visto que ele ainda podia gerar filhos, mesmo após considerar impossível obtê-los por causa da idade avançada ( Gn 17:17 ).

Quando Deus mandou Abraão imolar Isaque, Isaque era o seu ‘único’ filho, e não era cogitado Abraão ter mais filhos ( Gn 17:17 ). O evento demonstra que Deus não estava ‘testando’ e nem ‘mensurando’ a fé de Abrão. Deus não estava pondo à fé de Abraão a prova, uma vez que ele já havia sido justificado por Deus.

Deus não estava em dúvidas quanto à fé de Abraão quando o submeteu a prova!

O que Deus pretendia com a ‘provação’?

Com a provação Deus estava cuidando de Abraão! Como?

Pedro nos diz: “Essas provações são para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo” ( 1Pe 1:7 e 1Pe 4:12 -14).

Ora, as provações não são instrumentos de medida para se mensurar a fé daqueles que professam a Cristo, antes tem o fito de ‘redundar’ em louvor, glória e honra na revelação de Cristo “Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam” ( Tg 1:12 ).

Ou seja, a provação é conforme o propósito e segundo o conselho da vontade de Deus, ‘afim de sermos para louvor da sua glória’ ( Ef 1:11 -12). Abraão foi chamado por Deus para louvor de sua glória!

Como Abraão riu-se da promessa quando vislumbrou as impossibilidades ( Gn 17:17 ), ele poderia novamente rir-se da providência divina após gerar filhos de Quetura ( Gn 25:1 -52).

As seguintes questões poderiam sobressaltar Abraão: Será que Sara era estéril mesmo? Ismael, Isaque, Zinrá, Jocsã, Medã, Midiã, Jisbaque e Sua não foram filhos da minha carne? Será que a falta do “costume das mulheres” em Sara era mesmo uma impossibilidade de ter filhos? A idade de Sara era um real impedimento para ela conceber? Visto que pude ter filhos com mais de cem anos com Quetura, o filho de Sara não poderia ser produto da minha ‘virilidade’?

Todas estas questões não poderiam levar Abraão a gloriar-se da sua carne?

Ao ser exigido o sacrifício de Isaque, Abraão teve que recobrar o seu filho dentre os mortos, confiado no poder de Deus “Abraão julgou que Deus era poderoso para até dentre os mortos o ressuscitar, e daí também em figura o recobrou” ( Hb 11:19 ).

Ou seja, quando Abraão se predispôs obedecer à ordem divina para oferecem em holocausto o seu filho, ele deixou de ter um filho segundo a sua carne (embora o filho segundo a promessa de Deus fosse proveniente das ‘entranhas’ de Abraão e Sara), para receber o seu filho dentre os mortos.

Daquele momento em diante, Abraão estava desprovido de qualquer elemento que o levasse a considerar posteriormente que Isaque era fruto de sua carne, ou que a sua própria carne havia lhe concedido Isaque. Após o evento da oferta de Isaque, Abraão, segundo a providencia divina, teve a confirmação de que nada alcançou segundo a carne “Que diremos, pois, ter alcançado Abraão, nosso pai segundo a carne?” ( Rm 4: 1).

Ao recobrar o seu filho dentre os mortos, o que Deus proporcionou a Abraão além do seu filho Isaque? Uma âncora que penetrou até o interior do que estava oculto. Ele foi ensinado a lançar mão da esperança proposta, e não do que era aparente e que desvanece ( Hb 6:18 -19).

Isaque não era a segurança de Abraão, antes a segurança estava na esperança proposta. A consolação esta em Deus que não mente e é imutável, o que faz o homem peregrinar em busca da pátria celestial! ( Hb 6:14 -18).

Para alcançar Isaque, Abraão teve que recobrá-lo dentre os mortos, agindo de modo a dar cabo da própria promessa. Naquele momento em que Abraão ofereceu o seu único filho, a palavra de Deus foi posta acima de evidências físicas da promessa.

Abraão descansou na providência divina, pois o descendente sobre quem a promessa repousaria ainda estava por vir!

Abraão alcançou esta graça em Deus, porém, o povo de Israel, os seus descendentes não compreenderam e nem fizeram como o crente Abraão. Apesar do exemplo concedido por Abraão, o povo não foi aprovado na prova do maná concedido no deserto. As pessoas estavam confiadas no maná que aparecia no deserto, porém, não confiavam na palavra de Deus, que deu origem ao maná. Não consideravam que ‘nem só de pão viverá o homem’ ( Dt 8:3 ).

A prova da fé do homem não é porque Deus quer saber ou mensurar algo a respeito do homem. Antes, a prova da fé tem em vista a preservação da confiança do homem, o que redunda em louvor, glória e honra a Deus ( 1Pe 1:7 ).

 

Outra questão

Com relação ao versículo que diz: “Agora sei que temes a Deus, pois não me negaste o teu filho, o teu único filho” ( Gn 22:12 ), temos uma caso típico de antropomorfismo, ou melhor, é um dos ‘modos’ de Deus se manifestar ou comunicar-se utilizando a forma, o modo, a características ou a linguagem humana.

O homem geralmente compara o desconhecido ou compreende algo desconhecido através de elementos e fatos conhecido. Por exemplo, ao descrever algum animal desconhecido, o homem utiliza-se do que conhece para descrevê-lo: tinha pés como o de homem; cabeça como a de cavalo, rabo como o de peru, etc ( Ez 1:10 ).

Do mesmo modo, ao fazer referência a Deus, diz-se que Deus descansou, uma vez que o homem descansa. Porém, surgem as questões: sendo Deus onisciente, onipresente e onipotente Ele pensa? Faz considerações? Chega a conclusões? Precisa descansar segundo a concepção humana? ( Is 40:8 -31).

Por certo que os ‘caminhos de Deus’ são muito elevados, e os seus ‘pensamentos’ inatingíveis! “Mas não sabem os pensamentos do SENHOR, nem entendem o seu conselho; porque as ajuntou como gavelas numa eira” ( Mq 4:12 ). Como expressar o que nunca se viu ou ouviu? O que nunca subiu ao pensamento do homem? “Mas, como está escrito: As coisas que os olhos não viram, e os ouvidos não ouviram, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam” ( 1Co 2:9 ).

Além das questões antropomorfista, é preciso considerar que a linguagem humana é dinâmica e transforma-se constantemente. Como alcançar o pensamento original de uma única palavra ou de uma frase escrita a milhares de anos? Por mais que muitos escribas procuraram ser fiéis à transcrição de textos, impressões pessoais podem afetar a idéia do texto.

É por isso que o estudo da bíblia deve ser sistemático, seguindo regras e princípios pertinentes a hermenêutica e a exegese. Não é o que um texto expressa que fará surgir ou que extirpará uma doutrina bíblica, antes o contexto geral das escrituras é observado para fazermos um juízo de valores e idéias.

Hoje já é difícil para um interprete ou tradutor secular transmitir a idéia contida em uma expressão idiomática, porém, esta é uma limitação humana.

A bíblia diz que Deus descansou no sétimo dia, porém, através da carta aos Hebreus fica demonstrado que a idéia de descanso que a bíblia imprime não tem relação com a necessidade de repouso. Através da palavra ‘descansar’ a bíblia quer evidenciar que não mais havia obras a serem realizadas.

Após o dia sexto nenhuma outra obra concernente a criação do universo foi realizada, pois tudo foi criado e estabelecido com perfeição.

‘Descansar’ no Gênesis significa não ter obrar a realizar, diferente da idéia que muitos querem dar: repouso por causa de cansaço “Porque aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou de suas obras, como Deus das suas” ( Hb 4:10 ). Ora, quando a bíblia diz que Cristo entrou no seu repouso, ela quer dar a entender que a obra de Cristo é perfeita como a do Pai.

Com relação ao registro: ‘agora sei que temes a Deus’, verifica-se que o temor (confiança) de Abraão foi levado em conta quanto da justificação por Deus ( Gn 15:6 ), ou seja, ao provar Abraão, Deus não tinha como objetivo mensurar a fé do patriarca.

Se considerarmos um dos recursos lingüístico próprio à retórica, percebe-se que o texto tem por objetivo transmitir (noticiar) a Abraão que ele foi provado e aprovado para louvor e glória de Deus, segundo a fé. Este verso não enfatiza falta de conhecimento em Deus, antes, a ênfase da frase está em tornar Abraão ciente de que estava aprovado.

Quando o Anjo do Senhor disse: ‘agora sei que temes a Deus’, o objetivo era louvar o homem que foi provado e aprovado com base na fé “Porque não é aprovado quem a si mesmo se louva, mas, sim, aquele a quem o Senhor louva” ( 2Co 10:18 ).

Ler mais

Gálatas 4 – As alegorias das duas alianças

Quem primeiro cantou e se alegrou foi Agar, ao conceber de Abraão ( Gn 16:4 ). A afronta da serva Agar é semelhante à afronta que os cristãos estavam sofrendo dos judaizantes. Sara já era desprezada diante da sociedade à época por não dar a luz um filho, porém, chegou ao fundo do poço quando sua serva, que teve um filho do seu senhor, a desprezou.


Após demonstrar que os cristãos eram filhos de Deus ( Gl 4:6 ), o apóstolo Paulo retrocede no tempo, e aponta que, antes de terem um encontro com Cristo, os cristãos não ‘conheciam’ a Deus.

“Outrora, porém, não conhecendo a Deus, servíeis a deuses que por natureza não o são” ( Gl 4:8 )

Esta realidade também foi demonstrada aos cristãos em Éfeso: “E VOS vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência. Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também” ( Ef 2:1 -3).

Após terem recebido a adoção de filhos ( Gl 4:5 ), os cristãos passaram a conhecer a Deus, a palavra conhecer neste verso possui um sentido diverso daquele que a nossa sociedade se acostumou. O ‘conhecer’ bíblico refere-se à união íntima, união semelhante a do homem quando se une a sua esposa, ou seja, os cristãos passaram ter comunhão íntima com Deus.

Sobre este ‘conhecimento’, diz o apóstolo Paulo, é um grande mistério: “Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja” ( Ef 5:32 ). O mistério não está no fato de Deus ter determinado que o homem deva deixar pai e mãe, e unir-se (conhecer) a sua mulher, tornando-se ambos uma só carne.

O mistério desta ordem refere-se à igreja, porque ao tornarem-se filhos de Deus, cada cristão é membro do corpo de Cristo, ou seja, da sua carne e dos seus ossos “Porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos. Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne” ( Ef 5:30 -31).

 

9 Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir?

O apóstolo Paulo demonstra estar inconformado com a situação atual dos cristãos da Galácia.

Após terem ‘conhecido’ a Deus, como podiam submeter-se novamente aos preceitos da lei? Como poderia alguém idôneo querer voltar a ser tutelado? Como uma pessoa idônea poderia aceitar a estar novamente sob os cuidados de outrem?

Era de se estranhar que os cristãos quisessem voltar a estar debaixo dos rudimentos fracos e pobres da lei após ‘conhecerem’ a Deus, ou antes, serem ‘conhecidos’ por Ele.

Eles já haviam ‘abandonado’ pai e mãe ao unirem-se com Cristo. Eram ‘conhecidos’ por Deus porque se tornaram membros do corpo, da carne e dos ossos de Cristo, o verdadeiro Deus e a vida eterna ( Mt 10:37 ; Mt 19:29 ), mas estavam se prendendo a rudimentos facos e pobres.

 

10 Guardais dias, e meses, e tempos, e anos.

Os rudimentos fracos e pobres são o mesmo que guardar dias, meses, tempos e anos. O povo de Israel sempre guardou tais rudimentos, mas não era agradável a Deus, ou seja, nunca O conheceram ( Is 29:13 ).

O que estava levando os cristãos da Galácia a rejeitarem a Cristo, que perante eles foi apresentado crucificado?

 

11 Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco.

O apóstolo Paulo demonstra estar preocupado com a maneira que os cristãos estavam se portando com relação ao evangelho de Cristo, mas nutria esperança de não ter evangelizado (trabalhado) em vão.

 

12 Irmãos, rogo-vos que sejais como eu, porque também eu sou como vós; nenhum mal me fizestes.

O apóstolo Paulo invoca um sentimento de fraternidade. Embora muitos cristãos estivessem propensos a seguirem um pseudo-evangelho, o apóstolo dos gentios não estava rancoroso, pois a atitude deles não era uma afronta a pessoa do apóstolo, nem lhe haviam feito mal.

A atitude deles, de afastarem-se evangelho, faria mal a eles, e não ao apóstolo.

 

Conhecimento Comum a Todos

13 E vós sabeis que primeiro vos anunciei o evangelho estando em fraqueza da carne; 14 E não rejeitastes, nem desprezastes isso que era uma tentação na minha carne, antes me recebestes como um anjo de Deus, como Jesus Cristo mesmo.

O apóstolo Paulo faz referência a algum tipo de enfermidade que havia acometido o seu corpo, mas não podemos precisar qual foi. Como uma carta possui um público alvo restrito, é personalíssima, e somente os cristãos à época do apóstolo Paulo souberam dos seus problemas de saúde.

Especular sobre qual era a ‘fraqueza da carne’ que acometeu o apóstolo Paulo não esclarece de qual enfermidade ele sofria, e mesmo que descobríssemos qual era a enfermidade do apóstolo dos gentios, em nada contribuiria com relação ao evangelho.

Por estar enfermo, os cristãos da Galácia poderiam ter rejeitado (desprezo, desgosto) o apóstolo Paulo, uma vez que, segundo os rudimentos pobres e fracos, poderiam considerar que haveriam de ser contaminados se tivessem contato com o apóstolo, o que era uma tentação.

Mesmo após observarem a enfermidade do apóstolo Paulo, eles o receberam como se fosse um mensageiro (anjo) de Deus, como se fosse o próprio Cristo. Ora, se os cristãos convertidos tiveram a maturidade de receberem o apóstolo, mesmo vendo que ele estava enfermo, por que estavam retrocedendo aos rudimentos fracos e pobres?

 

15 Qual é, logo, a vossa bem-aventurança? Porque vos dou testemunho de que, se possível fora, arrancaríeis os vossos olhos, e mos daríeis.

A pergunta é especifica: “Qual é a vossa bem-aventurança?”. Ou seja, qual é a vossa alegria? A alegria deles não era o Senhor Jesus? Eles eram bem-aventurados por crerem em Cristo somente ( Gn 12:3 ).

Prova disto, é que, após receberem a alegria da salvação, se possível fora, eles teriam arrancado os olhos e dado ao apóstolo. O que tivessem de mais precioso, teriam doado ao apóstolo dos gentios.

 

16 Fiz-me acaso vosso inimigo, dizendo a verdade?

O apóstolo Paulo utiliza um argumento bem convincente: aquele que diz a verdade, em verdade é um amigo, e não inimigo. Ao anunciar o evangelho (verdade), demonstrando a invalidade dos rudimentos fracos e pobres, o apóstolo estava se revelando como amigo, um irmão.

 

17 Eles têm zelo por vós, não como convém; mas querem excluir-vos, para que vós tenhais zelo por eles.

Os judaizantes demonstravam zelo pelos cristãos, mas não conforme o que estipula o evangelho. Parece que os judaizantes queriam tirar os cristãos do evangelho genuíno com o intuito de serem eles o objeto de zelo dos cristãos.

O apóstolo Paulo alerta que o papel desempenhado pelos judaizantes haveria de ser invertido: agora estava parecendo que os judaizantes eram zelosos dos cristãos, porém, haveriam de exigir dos cristãos que aceitassem os rudimentos da lei que fossem zelosos deles.

 

18 É bom ser zeloso, mas sempre do bem, e não somente quando estou presente convosco.

O apóstolo Paulo demonstra que ser zeloso é recomendável, porém, o zelo não pode ser apregoado como prática para se conquistar a salvação.

O zelo deveria ser pelo evangelho, preservando-o tal qual foi anunciado pelo apóstolo, deveria ser constante, e não somente quando o apóstolo Paulo estivesse presente.

 

19 Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós;

O apóstolo Paulo paternalmente chama os cristãos de ‘meus filhinhos’!

Ao ver que os cristãos estavam sendo inquietados, e que alguns estavam aderindo ao rudimentos da lei, o apóstolo Paulo novamente estava sofrendo, como se estivesse de parto, até que Cristo fosse formado neles.

 

20 Eu bem quisera agora estar presente convosco, e mudar a minha voz; porque estou perplexo a vosso respeito.

O apóstolo Paulo não queria estar escrevendo repreensões. Era desejo do apóstolo estar com os cristãos das regiões da Galácia, e com um outro o tom de conversa.

Ele estava perplexo pela decisão daqueles que queriam novamente estar debaixo da lei.

 

21 Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei?

O público alvo da carta torna-se mais restrito. Deixou de abarcar todos os cristãos, para tratar somente com os simpatizantes do judaísmo. Eles são convidados a responder as questões do apóstolo Paulo.

Aqueles que desejavam voltar a estar debaixo da lei pareciam nunca ter ouvido o que a lei transmite. Quem estava se desviando do evangelho nunca entendeu qual era a proposta da lei.

 

22 Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre.

A carta aos Gálatas contrapõe:

  • Lei X evangelho;
  • Carne X Espírito;
  • Sara X Agar;
  • Isaque X Ismael;
  • Escrava X livre, etc.

Aqueles que queriam justificar-se através da lei não compreenderam a passagem da Escritura que aponta a origem dos dois filhos que Abraão tivera: um da escrava, e o outro da livre.

 

23 Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa.

O apóstolo Paulo convoca os que queriam viver segundo a lei a observarem e entenderem o que a Escritura ensina.

Apesar de Abraão ter alcançado dois filhos, todavia um foi gerado e nasceu segundo a carne, e outro, o filho da livre, por promessa.

O que os judaizantes teriam a dizer acerca destes dois filhos de Abraão? Será que eles teriam ouvido e compreendido o que diz a lei?

Através deste comparativo, o apóstolo Paulo buscou demonstrar que Isaque nasceu segundo a promessa, o que envolve a fidelidade e o poder de Deus. Isto só é possível através da união (conhecer) com o Descendente.

Os cristãos também foram gerados segundo a promessa feita a Abraão, que diz: “Em ti serão benditas todas as famílias da terra” ( Gn 12:3 ) pois Deus é fiel e ao conceder a sua palavra, que é poder para todos quantos creem, serão feitos filhos de Deus ( Jo 1:12 ; Rm 1:16 ).

 

As Duas Alianças em Alegorias

24 O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar.

O apóstolo Paulo demonstra que Sara e Agar serve de ilustração, alegoria, para representar tudo que ocorre ao longo dos tempos na história de Israel.

Sara e Agar representam as duas alianças: A lei e a graça. Embora o filho da Sara tenha nascido por último, a graça é anterior a lei, pois foi prometido bem antes da lei que “… em ti serão benditas todas as famílias da terra” ( Gn 12:3 )

Agar, uma das servas de Sara, representa o monte Sinai, e gera filhos para a servidão. Agar representa o povo de Israel e a aliança que foi estabelecida no monte Sinai.

 

25 Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos.

O apóstolo Paulo demonstra que a escrava Agar representa o monte Sinai, que corresponde a Jerusalém que todos conheciam, ou seja, a que agora existe. Agar e seu filho eram escravos, o que demonstra que Jerusalém continua sob o julgo da escravidão juntamente com todos os seus filhos, pois todos eles eram descendentes da carne de Abraão, Isaque e Jacó.

Ou seja, os descendentes da carne são escravos, uma vez que permanecem sob a servidão do pecado por serem descendentes do primeiro pai da humanidade, que é Adão ( Is 43:27 ).

 

26 Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós.

O apóstolo Paulo apresenta a Jerusalém celestial, que ainda não se vê, em contraste com a que agora se vê. Esta Jerusalém do alto é livre juntamente com os seus filhos.

A Jerusalém celestial é mãe de todos aqueles que confiam em Deus, pela fé em Cristo. Ou seja, para ser filho da Jerusalém de cima é necessário ter a mesma fé que o crente Abraão, o que é diferente de ser filho da carne de Abraão.

Da carne são gerados escravos, e da fé que teve Abraão são gerados livres ( Rm 9:8 ).

 

27 Porque está escrito: Alegra-te, estéril, que não dás à luz; Esforça-te e clama, tu que não estás de parto; Porque os filhos da solitária são mais do que os da que tem marido.

O apóstolo Paulo cita um verso do Livro do profeta Isaias para demonstrar as diferenças entre as duas alianças: “Canta, ó estéril, que não deste à luz; exulta de prazer com alegre canto, e exclama, tu que nunca tiveste dores de parto, porque mais são os filhos da desolada, do que os da casada, diz o Senhor” ( Is 54:1 ).

Este verso de Isaias é citado como resposta ao verso 26. A Jerusalém que é de cima é livre, e é mãe de todos os cristãos, isto porque ela é segundo a promessa de Deus. Os cristãos da Galácia deveriam considerar o que Deus prometeu por intermédio de Isaias.

Quem primeiro cantou e se alegrou foi Agar, ao conceber de Abraão ( Gn 16:4 ). A afronta da serva Agar é semelhante à afronta que os cristãos estavam sofrendo dos judaizantes. Sara já era desprezada diante da sociedade à época por não dar a luz um filho, porém, chegou ao fundo do poço quando sua serva, que teve um filho, a desprezou.

O profeta Isaias ao falar da igreja fez referência ao evento de Sara e Agar. Sara, a estéril, que nunca deu a luz, deveria cantar e exultar de prazer e com alegre canto. Sara nunca sentiu as dores de parto, mas deveria cantar.

Por que deveria a desprezada entoar cânticos? Por causa da promessa do Senhor que diz: “… mais são os filhos da desolada, do que os da casada, diz o Senhor” ( Is 54:1 ).

A desolada, ou desprezada, por não poder conceber e ter filhos precisou ter confiança naquele que prometeu que os números dos seus filhos não seriam inferiores aos filhos da que concebera (teve marido). O apóstolo Paulo demonstra que a profecia de Isaias diz dos filhos da promessa, que por Cristo, o Descendente, são em maior número do que os filhos da escrava.

 

28 Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque.

O apóstolo Paulo destaca que os cristãos são filhos da promessa, conforme foi Isaque. Por meio de Cristo, o Descendente, todos que creem alcançam a bem-aventurança prometida a Abraão, ou seja, alcançam a filiação divina.

 

29 Mas, como então aquele que era gerado segundo a carne perseguia o que o era segundo o Espírito, assim é também agora.

A bíblia demonstra que o filho de Abraão gerado segundo a carne perseguia o filho gerado segundo a promessa: Ismael versus Isaque. O apóstolo Paulo reitera que a perseguição que estava ocorrendo no seio da igreja decorria deste confronto histórico: Ismael versus Isaque, o mesmo que carne versus Espírito.

O conflito que é descrito pelo apóstolo Paulo e que a Escritura apresenta não ocorreu no interior de Isaque. A luta da carne ‘versus’ Espírito se dá fora do homem. A luta entre o que era gerado segundo a carne e o que foi gerado segundo a promessa de Deus é descrita como perseguição.

A ‘carne’ refere-se à natureza pecaminosa herdada em Adão (velho homem), e ‘Espírito’ refere-se ao Espírito de Deus que é concedido aos que creem (nova criatura)( Gl 4:6 ).

 

30 Mas que diz a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre.

A pergunta: “Mas que diz a Escritura?” é feita aos que queriam estar debaixo da lei ( Gl 4:21 ).

Este verso envolve conceitos próprios a antiguidade, pois um filho bastardo jamais herdaria o que é de direito do filho legítimo. Portanto, para não herdar o filho da escrava, ambos deveriam ser mandados embora: a escrava e o filho.

Não há como os filhos das escravas herdarem com o filho da livre, isto é, qualquer um que volte a estar debaixo da lei (menino), não herdará com a igreja de Cristo “… de modo algum…” ( v. 30).

 

31 De maneira que, irmãos, somos filhos, não da escrava, mas da livre.

Conclui-se o pensamento do apóstolo Paulo: somos filhos da livre. O cristão é filho da promessa por meio de Cristo Jesus. Qual promessa? “E a tua descendência será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti e na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra” ( Gn 28:14 ); “Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti” ( Gl 3:8 ).

Não é possível considerar como verdade bíblica a idéia de que o cristão possui duas naturezas, isto porque o novo homem em Cristo Jesus é filho da livre, e não da escrava. Como ter duas naturezas se o novo homem em Cristo não pode ser filho de ambas: da escrava e da livre? Ou se é filho da escrava ou se é filho da livre.

Os cristãos são filhos da livre e os gálatas deviam ter o cuidado de não voltarem a ser filhos da escrava.

Os filhos da escrava, por meio da promessa que há no evangelho, se crerem no Descendente, recebem poder de Deus para serem feitos seus filhos ( Jo 1:12 ).

 

Alegoria

Sobre a alegoria apresentada pelo apóstolo Paulo aos cristãos nas regiões da Galácia, ela é focada em Sara e Agar.

Deus prometeu a Abraão que faria dele uma nação numerosa, e que nele todas as famílias da terra seriam benditas. De Abraão a Escritura diz que ele teve dois filhos: Ismael e Isaque.

Os judeus consideravam serem descendentes de Abraão segundo a linhagem de Isaque. Por Isaque ter nascido conforme Deus prometeu a Abraão, os judeus acreditavam serem filhos de Deus, por serem filhos de Abraão e de Isaque.

O apóstolo Paulo, porém, trouxe a lume o grande mistério acerca do nascimento de Isaque, e que os judaizantes não atinavam: foi Abraão que teve filhos, e não Deus ( Gl 4:22 ).

Ismael, um dos filhos de Abraão, foi gerado segundo a carne, segundo a vontade de Sara e Abraão. Com relação ao sangue, Ismael era filho de uma escrava, Agar, que somente podia gerar filhos para escravidão. Diferente de Ismael, Isaque foi gerado segundo a promessa de Deus ( Gl 4:23 ).

É necessário observar que, tanto Ismael como Isaque foram filhos de Abra%

Ler mais

Sara e Agar

Sara e Agar é alegoria das duas alianças: graça e lei respectivamente. Agar e seu filho alcançaram possessão no deserto de Parã, que fica na região do monte Sinai, que é a Jerusalém atual. Todos os que estão debaixo da lei são escravos, pois são nascidos segundo a carne, e procuram uma possessão terrena. Já os que nascem da promessa, são filhos de Abraão pela fé em Cristo, e desejam uma possessão melhor, a Jerusalém que é livre, e é de cima ( Gl 4:26 ).

 


“O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar” ( Gl 4:24 )

 

Sobre a alegoria evidenciada pelo apóstolo Paulo aos cristãos nas regiões da Galácia, não podemos esquecer que ela é focada em Sara e Agar.

Deus prometeu a Abraão que faria dele uma nação numerosa e que nele todas as famílias da terra seriam benditas.

De Abraão a Escritura diz que ele teve dois filhos: Ismael com a escrava e Isaque com a livre.

Os judeus consideravam serem descendentes de Abraão segundo a linhagem de Isaque. Por Isaque nascer segundo a promessa de Deus os judeus acreditavam que eram filhos de Deus por serem descendentes de Abraão e Isaque.

O apóstolo Paulo, porém, traz a lume o grande mistério desta passagem, e evidenciou o que os judaizantes não atinavam: foi Abraão que teve filhos, e não Deus ( Gl 4:22 ).

Ismael, um dos filhos de Abraão, foi gerado segundo a carne, segundo a vontade de Sara e Abraão. Com relação ao sangue, Ismael era filho de uma escrava, Agar, que somente podia gerar filhos para escravidão.

Diferente de Ismael, Isaque foi gerado segundo a promessa de Deus ( Gl 4:23 ).

É preciso observar que tanto Ismael como Isaque foram filhos de Abraão. O filho decorrente da promessa também era filho do pai Abraão, ou seja, filho nascido da vontade da carne, do sangue e da vontade de Abraão, porém, segundo a promessa de Deus.

Por que é preciso fazer esta distinção? Porque somente a mulher de Abraão, Sara, estava impossibilitada de gerar por causa da avançada idade. Observe que mesmo após a morte de Sara, Abraão teve concubinas e filhos ( Gn 25:1 -4).

Mesmo após serem justificados pela fé, todos os filhos de Abraão foram gerados segundo a carne. Somente o Descendente, que é Cristo, nasceu segundo a vontade de Deus e através do Espírito de Deus. Até mesmo Isaque, nascido segundo a promessa, através da operação do poder de Deus, era filho segundo a carne, segundo a vontade e sangue de Abraão.

Isaque era descendente de Abraão (filho), porém, para se tornar filho de Abraão (filho de Deus), precisou ter a mesma fé que teve o Pai Abraão, pois somente por meio da fé o homem alcança a filiação divina.

A promessa de Deus a Abraão repousa sobre o Descendente, que é Cristo, o filho Unigênito de Deus, e os seus filhos segundo a carne (descendentes) não são filhos de Deus.

Mas, o que Paulo procurou evidenciar através da alegoria fixa-se sobre as pessoas de Sara e Agar. Paulo apresenta as duas mulheres, Sara e Agar como sendo alegoria das duas alianças de Deus: a lei e a graça.

Deus prometeu uma nação numerosa e que todas as famílias da terra seriam benditas em Abraão. Mas, a alegoria não se fixa a promessa feita a Abraão, e sim, a promessa feita a Sara.

A promessa feita a Sara, e que Paulo evidência nesta alegoria diz: “EU a abençoarei, e dela te darei um filho” ( Gn 17:16 ), e ( Gn 18:10 ); “O Senhor visitou a Sara, como tinha dito, e lhe fez como havia prometido” ( Gn 21:1 ). Na alegoria apresentada por Paulo, o que deve ser destacado é a promessa de Deus à Sara.

Da promessa feita à Sara não surgiram filhos a Deus, como os judaizantes acreditavam, antes Deus disse a Abraão: “… em Isaque será chamada a tua descendência” ( Gn 21:12 ), que é Cristo.

A filiação divina decorre da promessa feita a Abraão, e é proveniente do Descendente, e não de Isaque. A promessa de Deus a Sara destaca-se pelo fato de ter sido concedido a ela poder para conceber um filho, embora avançada em idade “Pela fé, também, a própria Sara recebeu poder de conceber um filho, mesmo fora da idade, porque teve por fiel aquele que lhe havia feito a promessa” ( Hb 11:11 ).

Só através do Descendente, que é Cristo, torna-se possível gerar filhos para Deus. Filhos nascidos, não da carne, nem do sangue, e nem da vontade do varão, mas da vontade de Deus ( Jo 1:12 ). Para que os filhos de Deus sejam gerados, há a necessidade de nascerem da palavra e do Espírito de Deus. Nascer de Deus só é possível por meio da pregação do evangelho que é semente incorruptível e poder de Deus pela fé em Cristo.

A alegoria demonstra que Agar vincula-se ao monte Sinai, que corresponde à cidade de Jerusalém atual, visto que ela e Ismael habitaram antes de todos os israelitas no deserto de Parã ( Gn 21:21 ).

Como os judaizantes se gloriavam da lei, e da cidade de Jerusalém, Paulo demonstra que o único que teve possessão desde os pais, foi Ismael, o filho de Abraão com a escrava.

Da mesma forma que Ismael é alegoria para os que vivem sob a lei e estavam reduzidos à escravidão, Isaque também é alegoria para o cristão ( Gl 4:28 ).

Os cristãos são filhos da promessa como Isaque, pelos motivos seguintes:

  • Ambos nasceram segundo a promessa. Isaque pela promessa feita a Abraão e Sara, e o Cristão pela promessa feita a Abraão, que se cumpriu no Descendente;
  • Isaque não teve e os cristãos não têm possessão permanente, uma vez que morreram na fé;
  • Isaque confessou e os cristãos confessam que são peregrinos e estrangeiros na terra;
  • Tanto Isaque, quanto os cristão desejam uma pátria melhor, isto é, a celestial ( Hb 11:13 -16).

Sara e Agar é alegoria das duas alianças: graça e lei respectivamente. Agar e seu filho alcançaram possessão no deserto de Parã, que fica na região do monte Sinai. Especificamente refere-se a um monte da Arábia, que é a Jerusalém atual.

Todos os que estão debaixo da lei são escravos, pois são nascidos segundo a carne, e procuram uma possessão terrena. Já os que nascem da promessa, são filhos de Abraão pela fé em Cristo, e desejam uma possessão melhor, a Jerusalém que é livre, e é de cima ( Gl 4:26 ).

Os judaizantes se esquecem da palavra de Sara que protesta contra os filhos da escrava Agar: “…o filho desta escrava não herdará com o meu filho Isaque” ( Gn 21:10 ).

Os judeus acreditavam que eram filhos de Deus por ser Isaque filho da promessa. Porém, não observaram que Isaque era filho da promessa que foi feita à Sara, e que a promessa de filiação divina somente é possível pela fé em Deus, que prometeu o seu Filho, o Descendente.

Não podemos esquecer-nos da comparação estabelecida: “Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque” (v. 28). Isaque nasceu da promessa feita à Sara, e o Cristão por meio da promessa feita a Abraão. Desta forma somos filhos da promessa como Isaque, o que se entende alegoricamente. Por quê? Porque Isaque nasceu segundo a promessa, fidelidade e poder de Deus, e os cristãos através da união com o Descendente. Nascem também segundo a promessa feita a Abraão, pois Deus é fiel e concede a sua palavra, que é poder de Deus para todos quantos crêem, para serem feitos filhos de Deus ( Jo 1:12 ; Rm 1:16 ).

O cristão é filho da promessa como Isaque, e não em Isaque, como os que esperavam ser justificados pela lei compreendiam.

Ler mais